Viabilidade econômica no uso de polímero hidroabsorvente em mudas de espécies nativas do Cerrado

Autor(a):

Lauriane Monteiro da Fonseca

Resumo:

No Distrito Federal, para cada hectare urbanizado, outro é alterado pelos impactos indiretos das atividades humanas. A recuperação de uma área degradada é necessária para mitigar a interferência antrópica no ambiente. Uma das principais causas de mortalidade e do baixo desenvolvimento de mudas em plantios nas áreas degradadas em ambientes estacionais como o Cerrado, é o estresse hídrico. Polímeros hidroretentores estão sendo usados como condicionadores hídricos do solo. Embora pesquisas sobre a utilização de polímeros hidroretentores aplicados à recuperação de áreas degradadas esteja em crescimento, ainda não há consenso quanto à sua efetividade. Sendo assim, faz-se necessário determinar o custo e a eficiência do uso do polímero hidroretentor no plantio de mudas de espécies nativas de Cerrado, visando a recuperação de áreas degradadas. O estudo foi desenvolvido em uma área de cerrado sensu stricto degradada, no Setor de Chácaras Santos Drummond, próximo ao Vale do Amanhecer, em Planaltina, Distrito Federal. Foi realizado um experimento fatorial com dois fatores (época de plantio e uso do polímero hidroretentor), em dois níveis; antes e depois da estação chuvosa, com e sem o uso do polímero, respectivamente, divididos em quatro tratamentos. Para determinar a diferença estatística na análise da mortandade entre tratamentos, foi utilizado análise de variância (ANOVA) e teste de comparação de médias com teste “T” de Tukey. Foi determinado o custo adicional do uso do hidrogel na execução do plano de recuperação. Este valor foi comparado ao custo de substituição de mudas mortas. A sobrevivência no tratamento com o polímero hidroretentor na estação seca foi significativamente maior que no tratamento sem o polímero, na mesma estação. O custo total (incluindo a substituição de mudas) do plantio sem o hidrogel foi maior quando comparado ao plantio com hidrogel, ambos na estação seca. O plantio no final da estação seca com o uso
do polímero hidroretentor pode ser uma opção viável para minimizar os efeitos do estresse hídrico causado nesse período.

Referência:

FONSECA, Lauriane Monteiro da. Viabilidade econômica no uso de polímero hidroabsorvente em mudas de espécies nativas do Cerrado. 2014. xii, 47 f., il. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Gestão Ambiental)—Universidade de Brasília, Planaltina-DF, 2014.

Disponível em:

);