Psectrogaster amazonica Eigenmann & Eigenmann, 1889.

CP 13,0 cm

Nome(s) popular(es):

Branquinha.

Tamanho

Até 16,7 cm de comprimento padrão.

Alimentação

Iliófaga, i.e., semelhante aos demais curimatídeos. Trata-se de peixes que se  alimentam de partículas dispersas no substrato, que podem ser de decomposição variada, desde micro-organismos até matéria orgânica em decomposição. Possuem um aparelho digestivo adaptado para selecionar o que interessa ou não à sua alimentação.

 

Nome Xavante:

Pe’anhõhi’ware.

Dimorfismo sexual secundário

Sem traços óbvios.

Uso e importância da espécie

Atinge porte maior que das espécies Cyphocharax e Steindachnerina, e, portanto, desempenha papel ligeiramente maior na pesca de subsistência. Como as demais forrageiras, P.amazônica representa um importante elo na cadeia alimentar dos ambientes onde se encontra.

Descrição da espécie

corpo relativamente alto, fusiforme, recoberto por escamas ciclóides; boca terminal desprovida de dentes; região pós-ventral quilhada com escamas terminando num processo espiniforme; linha lateral completa, 41 a 62 escamas; nadadeira caudal nua, bifurcada; coloração uniforme sem máculas, esverdeada acima da linha lateral, prateada abaixo. Espécie rara nos cursos superior e médio dos riachos e córregos do PESA, mas freqüente no inferior, principalmente em períodos de águas altas.

Referência:

Venere, Paulo Cesar; Garutti, Valdener.Peixes do Cerrado-Parque Estadual da Serra Azul-Rio Araguaia, MT. São Carlos: RiMa Editora, FAPEMAT, 2011.p.42.

);