Caryocar brasiliense

Nomes populares

Pequi, pequizeiro, piqui, piquiá

Partes utilizadas

Fruto, casca, entrecasca, folha, cera das folhas

Descrição

A árvore do pequi tem cerca de 6-10 m de altura com tronco grosso e tortuoso. As flores do pequi são vistosas e têm cor creme-amarelada. Seu fruto é globular com até 10 cm de diâmetro, verde e com odor característico quando maduro (LORENZI E MATOS, 2008; KUHLMANN, 2018). O pequi ocorre no Norte (Pará, Tocantins), no Nordeste (Bahia, Maranhão, Piauí), no Centro-Oeste (Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso), no Sudeste (Minas Gerais, São Paulo) e no Sul (Paraná)

Uso medicinal

O pequi tem propriedades anti-inflamatórias, cicatrizantes, antineoplásica, antioxidante, antitussígenas e fortificantes. Ele é usado para tratar afecções pulmonares, quadros de bronquite e asma, infecções por fungos, pequenos ferimentos, boa parte dos problemas de pele, rouquidão e dor de garganta. O fruto possui vitaminas A e B, potássio, caroteno, fibras essenciais, ácidos graxos monoinsaturados e açúcares de absorção lenta. O pequi também estimula o sistema imunológico, é protetor das mucosas como barreira contra infecções e protege o sistema de hipercolesterolemia e hiperglicemia. Além disso, ele é usado em compressas e massagens no caso de dores musculares e reumáticas e no caso de contusões (AMERICANO, 2015; KUHLMANN, 2018). 

Referências Bibliográaficas

AMERICANO, Túlio. Fitoterapia Brasileira: uma abordagem energética. Brasília: Cidade Gráfica Editora, 2015. 420 p.


KUHLMANN, Marcelo. Frutos e sementes do Cerrado: espécies atrativas para a fauna. 2 ed. Brasília: Ipsis Gráfica e Editora, 2018. 1 v.


MEDEIROS, H.; AMORIM, A.M.A. 2015 Caryocaraceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB6688>.

);