Strychnos pseudoquina

Nomes populares

Quina-do-campo, quina-do-cerrado, quina, quina-branca, quineira, quina-grossa, falsa-quina, quina-cruzeiro, quina-da-chapada, quina-de-periquito, quinade-mato-grosso

Partes utilizadas

Entrecasca, folhas, raiz

Descrição

É uma árvore com 4-9 m de altura com tronco grosso e cascudo. Suas flores são pequenas, perfumadas e de cor creme. O fruto da quina-do-campo é globoso, com até 4 cm de diâmetro e é alaranjado quando maduro (LORENZI E MATOS, 2008; KUHLMANN, 2018). Essa planta ocorre no Norte (Tocantins), no Nordeste (Bahia, Maranhão, Pernambuco), no Centro-Oeste (Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso) e no Sudeste (Minas Gerais, São Paulo).

Uso medicinal

A quina-do-campo tem propriedades analgésicas, anestésicas, digestivas, tônicas, febrífugas, anti-inflamatórias, adstringentes e cicatrizantes. Ela é usada contra doenças hepáticas e moléstias do baço, fígado e estômago. Tradicionalmente, essa planta é usada pelo homem do campo para tratar a malária (AMERICANO, 2015; LORENZI E MATOS, 2008; KUHLMANN, 2018).

Formas de uso

Entrecasca, na forma de chá ou pó. Também se utiliza o chá das folhas e das raízes com atividade específica para o trato gastroentérico. Contudo, nessas partes a concentração do ativo é muito maior, havendo necessidade de cercar seu uso de precisão (AMERICANO, 2015).

Curiosidades

Essa espécie foi descrita na primeira edição da Farmacopeia Oficial Brasileira de 1929 (KUHLMANN, 2018).

Cuidados

Ao comer o fruto da quina-do-campo, deve-se evitar engolir as sementes porque elas são tóxicas (KUHLMANN, 2018).

Referências Referências

AMERICANO, Túlio. Fitoterapia Brasileira: uma abordagem energética. Brasília: Cidade Gráfica Editora, 2015. 420 p. 

 

GUIMARÃES, E.F.; MANOEL, E.A.; SIQUEIRA, C.E.; ZAPPI, D. 2015 Loganiaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB8680>. 

 

LORENZI, Harri; MATOS, Francisco José de Abreu. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2. ed. Nova Odessa, Sp: Instituto Plantarum, 2008. 

 

KUHLMANN, Marcelo. Frutos e sementes do Cerrado: espécies atrativas para a fauna. 1 ed. Brasília: Ipsis Gráfica e Editora, 2018. 2 v.

);