Mostra “Viagem de 1952 – A Boiada de Guimarães Rosa”

O Museu Casa Guimarães Rosa, localizado no município de Cordisburgo, 100% pelo bioma Cerrado, na região Central de Minas, exibe ao público a exposição temporária “Viagem de 1952 – A Boiada”. A exposição traz para o público fotografias da viagem realizada por Guimarães Rosa, em maio de 1952, ao Cerrado de Minas Gerais, para acompanhar a travessia de uma boiada da fazenda da Sirga (Andrequicé, distrito de Três Marias), de propriedade de seu primo Chico Moreira, até a fazenda São Francisco, em Araçaí. Nesse percurso de 240 quilômetros, o escritor registrou centenas de anotações em uma cadernetinha de bolso, que trazia pendurada ao pescoço.

O escritor anotou em detalhes observações, cenas e, inclusive, datas, horas e léguas percorridas. O conjunto dessas notas de viagem denominou de “Boiada”. Essa viagem pelo Cerrado mineiro ganhou, na época, as páginas da revista “O Cruzeiro”, com reportagem do jornalista Álvares da Silva e fotografias de Eugênio Silva. O jornalista e o fotógrafo cobriram os últimos dias da travessia da boiada e as imagens produzidas naquela ocasião estão reproduzidas na mostra exibida pelo Museu Casa Guimarães Rosa.

A comitiva que Guimarães Rosa acompanhou era formada por oito vaqueiros: Manoel Nardy, mais conhecido como Manuelzão, o capataz; João Henrique Ribeiro, o Zito, “guieiro”, poeta, laçador e cozinheiro; Raimundo Ferreira de Nascimento, o Bindóia, “campeiro”, cantador de versos, animador da boiada e mais cinco vaqueiros – Sebastião Leite de Morais: “Olhando boi a vida inteira”; Gregório Leite de Moraes: “silencioso”; Aquiles Luiz de Carvalho: “violeiro, dançador de lundu e cantador de desafio”; Raimundo Santana: “vaqueiro-mestre”; Sebastião Alves de Jesus: “aprendiz de vaqueiro”.

A Boiada representa um inventário informal da fauna e da flora, uma cartografia do Cerrado mineiro na década de 1950 e uma descrição que enaltece a vida sociocultural sertaneja. As anotações na cadernetinha de Guimarães Rosa transportam o leitor para o sertão de Minas, por meio de descrições minuciosas e poéticas.

Guimarães Rosa foi buscar exatamente a natureza menos manipulada, menos transformada pelo modelo capitalista. Viajou para o Cerrado de Minas, para a região de sua terra natal, Cordisburgo, a cidade do coração, outrora Vista Alegre. Ao invés do carro, uma mula; ao invés do urbano, o rural; em vez de diplomatas, vaqueiros e bois; ao invés de documentos oficiais, anotações.

Ao retornar ao Rio de Janeiro, onde residia, o escritor datilografou e organizou todas as anotações de “Boiada”. Ao longo do tempo ia aproveitando as notas de viagem produzidas durante o manejo da boiada na criação de seus livros, anotava e cobria o texto com hachuras, tornando os datiloscritos coloridos e graciosos.

As novelas Campo Geral, Uma Estória de Amor, O Recado do Morro, A Estória de Lélio e Lina, Cara de Bronze, Dão-Lalão e Buriti, que compõem Corpo de Baile e o livro Grande Sertão: Veredas, ambos publicados em 1956, reproduzem e recriam várias anotações da Boiada. A leitura dessas obras traduz com sabedoria, sensibilidade e sentimento a genialidade de Guimarães Rosa, a cultura popular e a exuberância do Cerrado brasileiro.

 

Data: 7/2022 a 1/2023

Local: Sala de Exposições Temporárias do Museu Casa Guimarães Rosa – Rua Padre João, 744 – Cordisburgo (MG)                                     

 

Fonte da notícia: https://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticia/cordisburgo-tem-exposicao-sobre-viagem-de-guimaraes-rosa-pelo-sertao-mineiro?fbclid=IwAR3TO2Qn_FhZPrnPR9H0Va5MNM1DxThTXX3Kzs_CvLm38DcT7IvUca-LP8o

);