Formação de educadores do campo e tecnologias digitais: relações e desafios na licenciatura em educação do campo da UnB

Autor(a):

Wanessa de Castro

 

Resumo:

Este estudo teve como tema a formação de educadores do campo para o uso de Tecnologias Digitais na Licenciatura em Educação do Campo da Universidade de Brasília. Teve como sujeitos da pesquisa os educandos da Turma 2 da referida Licenciatura. O objetivo principal foi investigar e analisar em que medida o acesso e a apropriação das Tecnologias Digitais no processo de formação de educadores do campo ajudam a utilizar e produzir recursos educacionais contextualizados que possam provocar alterações, numa perspectiva transformadora/emancipadora, em suas práticas pedagógicas nas escolas do campo. Para isso, usou como fundamentação teórica: Educação do Campo; escolas do campo; formação de educadores do campo: a Licenciatura em Educação do Campo na UnB (LEdoC – UnB); tecnologias digitais, letramento digital e Recursos Educacionais Abertos; Comunicação e Tecnologias da
 Informação – a formação para uso das Tecnologias Digitais em processos educativos; história e conceito de Recursos Educacionais Abertos; criação, adaptação, uso e compartilhamento de REA; e tipos de licença Creative Commons. O percurso metodológico desenvolveu-se sob a perspectiva do Materialismo Histórico Dialético e foi realizada uma pesquisa-ação cuja abordagem foi qualitativa. Para a coleta de informações foram utilizados: questionário, entrevista estruturada online, observação participante e diálogos pedagógicos realizados em várias etapas do processo de pesquisa. A partir da pesquisa chegou-se à conclusão que, ao ingressar na LEdoC, os docentes em formação, em sua quase totalidade, não tinham conhecimentos informáticos básicos e puderam construí-los ao longo do curso tanto nas aulas de Comunicação e Tecnologias da Informação quanto nos demais componentes curriculares; também, concluiu-se que formar um educador do campo requer diferenciação no tratamento, no currículo, nas estratégias e nas práticas pedagógicas; ainda, que houve e continua a haver transformação social tanto na vida desses docentes, agora formados como nas comunidades campesinas das quais eles fazem parte; que autilização de Recursos Educacionais Abertos amplia muito as possibilidades de formação desses sujeitos; também que o uso de Tecnologias Digitais e REA, por si só, não promove transformação nas práticas pedagógicas, essa transformação somente acontecerá a partir de um conjunto de situações que tenham essa mudança como um de seus objetivos. Assim, o objetivo inicial dessa pesquisa, além de ser alcançado, ainda permitiu ampliar o escopo da pesquisa para utilização e produção de Recursos Educacionais Abertos, complementando a ideia de prática emancipatória por não utilizar programas e aplicativos pagos e compartilhar materiais que podem auxiliar outros educadores do campo. Por fim, a título de recomendação, foi feita a sugestão da criação do componente curricular Letramento Científico e Digital como disciplina e não mais oficina, com carga horária ampliada em relação à Oficina de Informática e com a criação de vaga para professor efetivo para este novo componente.

 

Referência:

CASTRO, Wanessa de. Formação de educadores do campo e tecnologias digitais: relações e desafios na licenciatura em educação do campo da UnB. 2015. xxii, 241 f., il. Tese (Doutorado em Educação)—Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

Disponível em:

);