Comparação do nível de herbivoria do estrato rasteiro em um fragmento de cerrado de Planaltina (DF)

Autor(a):

Lucas Gonçalves Fernandes de Deus

Resumo:

A vegetação do Cerrado sensu stricto é caracterizada por um estrato arbóreo e um rasteiro, composto por gramíneas e ervas. Há muitos trabalhos avaliando o efeito de herbivoria em espécies lenhosas do Cerrado, entretanto, nada é discutido com relação às gramíneas. Gramíneas apresentam altos níveis de sílica, o que tem sido correlacionado como possível defesa contra herbívoros. Foi observado no presente trabalho, o total de 3.182 plantas classificadas em gramíneas e não gramíneas, com ou sem sinais de herbivoria. Do total de gramíneas amostradas, 22% apresentaram sinais de herbivoria enquanto que não gramíneas apresentaram 71% de predação. Essa diferença da taxa de herbivoria observada se dá pelo fato de que gramíneas apresentam em sua composição alto nível de sílica agindo como defesa física e defesa bioquímica. A sílica pode diminuir a palatabilidade, causar o desgaste de aparelhos bucais, atrair parasitoides e patógenos de insetos herbívoros, interferindo assim na taxa de crescimento e reprodução destes. Herbívoros não conseguem desenvolver tolerância e nem se aclimatar à sílica, desta forma os efeitos são irreversíveis, persistindo até quando há uma mudança de dieta.

Referência:

DEUS, Lucas Gonçalves Fernandes de. Comparação do nível de herbivoria do estrato rasteiro em um fragmento de cerrado de Planaltina (DF). 2017. 14 f., il. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Ciências Naturais)—Universidade de Brasília, Planaltina-DF, 2017.

Disponível em:

);