Dipteryx alata

Nomes populares

Baru, coco-feijão, cumaru

Habitat e distribuição

Bioma Cerrado, nas formações florestais Cerradão e Mata, nas áreas de transição entre Cerrado e Mata Estacional ou Mata de Galeria e no Cerrado sentido restrito.

Características da espécie

Árvore com altura média de 15 m, com caule ereto, ramos e casca do tronco lisos. Floresce de outubro a janeiro.

Características dos frutos

O fruto é do tipo drupa, seco, ovóide, levemente achatado, de cor marrom, não apresentando mudança de cor quando maduro. Possui cerca de 3 a 6 cm de comprimento e de 1,5 a 4,5 cm de largura. O endocarpo é lenhoso, de cor mais escura que o mesocarpo fibroso. Apresenta uma única semente por fruto. O barueiro apresenta frutos maduros durante a estação seca no Cerrado, entre março e agosto, sendo uma espécie importante para alimentação de aves, quirópteros, primatas e roedores nessa época (Macedo et al., 2000).

Aproveitamento

Tanto a polpa quanto a amêndoa de baru podem ser utilizadas na alimentação humana, sendo a polpa constituída principalmente de hidratos de carbono (63%), predominantemente por amido, fibras insolúveis e açúcares (Alves et al., 2010). A amêndoa apresenta elevados níveis de lipídicos (42%), proteínas (30%), cálcio, fósforo, manganês e potássio, além de ferro, zinco, selênio e consideráveis teores de hidratos de carbono e fibras (Sousa et al., 2011), devendo ser consumida torrada para reduzir os fatores antinutricionais. Da amêndoa pode-se extrair leite e óleo e ainda pode ser usada para fazer pé-de-moleque, paçoca, mistura de barras de cereais, bombons entre outros. A polpa (mesocarpo) pode ser consumida in natura. Tem sabor adocicado, quando utilizada para massa de bolo, torna-se escura, aparentando chocolate.  

Referências

Alves, A.M.; Mendonça, A.L. de.; Caliari M. e Cardoso-Santiago, R.A (2010) – Avaliação química e física de componentes do baru (Dipteryx alata Vog.) para estudo da vida de prateleira. Pesquisa Agropecuária Tropical, vol. 40, n. 3, p. 266–273.  

 

MACEDO, M.; FERREIRA, A. R.; SILVA, C. J. Estudos da dispersão de cinco espécies-chave em um capão do pantanal do Poconé, Mato Grosso. In: Simpósio sobre recursos naturais e socioeconômicos do Pantanal, 2000.

 

Sousa, A.G.O.; Fernandes, D.C.; Alves, A.M.; Freitas, J.B. e Naves, M.M.V. (2011) – Nutritional quality and protein value of exotic almonds and nut from the Brazilian Savanna compared to peanut. Food Research International, vol. 44, n. 7, p. 2319–2325.

 

VIEIRA, Roberto Fontes et al. Frutas nativas da região Centro-Oeste. Brasília: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, 2006. 320 p.

 

ZUFFO, Alan M.; ANDRADE, Fabrício R.; ZUFFO JÚNIOR, Joacir M. Caracterização biométrica de frutos e sementes de baru (Dipteryx alata Vog.) na região leste de Mato Grosso, Brasil. Rev. de Ciências Agrárias, Lisboa, v. 37, n. 4, p. 463-471, dez. 2014.