Comunidades epifítica e arbórea em matas de galeria no Distrito Federal, Brasil

Autor(a):

Rodolfo de Paula Oliveira

Resumo:

A comunidade epifítica vascular no bioma Cerrado carece de estudos, sendo que as Matas de Galeria possuem características que favorecem a ocorrência de epífitas, possibilitando este tipo de estudo. Buscando investigar características e eventuais diferenças dentre comunidades epifíticas, realizou-se a comparação dessas comunidades em dois ambientes em Matas de Galeria: um não inundável e outro inundável. Os levantamentos foram realizados em duas áreas, sendo cada área investigada quanto a esses dois ambientes, totalizando quatro trechos. A primeira área investigada foi a Fazenda Sucupira/FS (15º 52’ a 15º 56’ S, 48º 00’ a 48º 02’) e a segunda, a Fazenda Água Limpa/FAL (15° 56’ a 15° 59’ S, 47° 55’ a 47° 58’ O), ambas localizadas na porção sudoeste do Distrito Federal. Para amostragem, em cada trecho foram alocados aleatoriamente cinco transectos de 100 x 5 m, subdivididos em cinco parcelas de 20 x 5m. A comunidade arbórea (DAP ≥ 5 cm) se apresentou de forma distinta nos dois ambientes, tanto em questões florísticas quanto estruturais (Capítulo 2). No total foram amostrados 1.923 indivíduos arbóreos, sendo que 607 (31,6%) se comportaram como forófitos. Dentre as epífitas (Capítulo 3), Orchidaceae, com 21 espécies, foi a família mais representativa, seguida por Polypodiaceae (4), Bromeliaceae (3), Araceae (2) e Piperaceae (2). O ambiente inundável apresentou maior riqueza (34 espécies) do que o ambiente não-inundável (24). Apenas Campylocentrum neglectum, Campyloneurum angustifolium e Epidendrum avicola foram comuns aos quatro trechos, sendo que Serpocaulon fraxinifolium e Vanilla chamissonis estiveram presentes nos dois trechos inundáveis. A categoria ecológica mais frequente nos dois ambientes foi a das holoepífitas verdadeiras. O ambiente inundável apresentou maior densidade de epífitas e de forófitos, embora a riqueza e a densidade em apenas um forófito tenha sido superior no ambiente não-inundável. As epífitas tiveram preferência em colonizar a copa no ambiente não-inundável. Já no ambiente inundável, no trecho da FS a maior parte das epífitas se estabeleceram no fuste baixo dos forófitos, enquanto no trecho da FAL elas ocuparam, em sua maioria, a copa e o fuste alto dos forófitos, provavelmente devido à ocorrência de incêndios recorrentes. A epífita com maior Valor de Importância Epifítico (VIE) deste estudo foi Tillandsia tenuifolia, principalmente por sua capacidade de colonizar indivíduos mortos. A relação entre Valor de Importância (VI) da espécie arbórea e seu respectivo número de forófitos apresentou forte correlação positiva, levando em consideração que fatores como elevado DAP e tipos de casca podem ter influência na probabilidade da espécie abrigar epífitas. Os resultados apontam especificidades florísticas e estruturais na comunidade epifítica, corroborando diferenças já
conhecidas para comunidade arbórea em Matas de Galeria.

Referência:

OLIVEIRA, Rodolfo de Paula. Comunidades epifítica e arbórea em matas de galeria no Distrito Federal, Brasil. 2013. xiv, 86 f., il. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais)—Universidade de Brasília, Brasília, 2013

Disponível em:

);