Avaliação da cobertura da terra do Parque Recreativo Sucupira e de sua zona influencia direta

Autor(a):

Mabby Camarda Bernardes

Resumo:

O Brasil é considerado megadiverso por abrigar cerca de 20% das espécies do planeta. No entanto, estudos indicam que asatividades antrópicas apresentam-se como ameaça para essa biodiversidade. No intuito depromover a conservação da diversidade biológica, foi regulamentada a Lei 9.985/2000, que instituiu o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), estabelecendo critérios e normas para a gestão de unidades de conservação. Uma das principais demandas para essa gestão é o monitoramento da cobertura da terra da unidade de conservação e seus entorno para a tomada de decisão dos gestores. Dentre as formas de obtenção dessas informações, destacam-se os sensoresorbitais, que proporcionam a geração sistemática de dados referentes à superfície terrestre. Além da geração de dados sistemáticos, também é importante salientar seu potencial de obter dados de diferentes datas, permitindo a avaliação da dinâmica da ocupação antrópica. Nesse contexto, O objetivo desse trabalho foi avaliar a cobertura da terra do Parque Recreativo Sucupira (PRS) e de sua Zona de Influência Direta (ZID) entre os anos de 1996 e 2010 por meio de análise multitemporal de dados orbitais. O PRS possui uma área de 124,44 hectares, estando localizado dentro da Região Administrativa VI de Planaltina. Considerando os limites desse parque estabelecidos pelo Instituto Brasília Ambiental (Ibram), a ZID foi gerada abrangendo 500 metros em seu entorno. A primeira etapa foi a geração do mapa de cobertura da terra referente ao ano de 2010, gerado em função no mosaico de fotografia aéreas, fornecido pela Companhia Imobiliária de Brasília (TERRACAP) e vetorização digital em tela. Para a análise multitemporal, foram organizadas imagens do sensor Landsat 5-TM, de 1996, 1999, 2003 e 2007, que foram registradas em função do mosaico de fotografia aéreas. A partir do mapa gerado para 2010 foi realizada a análise multitemporal por meio de retro análise dos dados. Foi empregado um sistema de classificação híbrido, adaptado para o Cerrado e dividido em 3 níveis categóricos. Os resultados indicaram que a área interna do PRS apresentou cerca de 50 % de área vegetal plantada em 2010, sendo que 36,58 % foi caracterizado por pastagem. Observou-se um crescimento de 18,83 % dessa classe nos 14 anos avaliados. A ZID possuiu uma área de 337,16 hectares, dos quais cerca de 42 % estavam cobertos por áreas construídas em 2010. Na ZID o loteamento e a pastagem apresentaram os maiores variações ao longo do período estudado, com incremento de 7,26 % e 6,03 %, respectivamente. Em ambas as áreas (PRS e ZID) foram observadas reduções da vegetação perturbada, fato que indica que a ocupação antrópica dessa área de estudo tem sido iniciada com a alteração da cobertura vegetal natural, especialmente da camada arbórea. Essa abordagem favoreceu a compreensão da dinâmica da ocupação antrópica no Cerrado, servindo como subsídio para o ordenamento territorial, tanto para atividades agropastoris, quanto para áreas urbanas.

Referência:

BERNARDES, Mabby Camarda. Avaliação da cobertura da terra do Parque Recreativo Sucupira e de sua zona influencia direta. 2013. xi, 35 f., il. Monografia (Bacharelado em Gestão Ambiental)—Universidade de Brasília, Planaltina, 2013.

Disponível em:

);