As plantas medicinais no município de Ouro Verde de Goiás, GO, Brasil : uma abordagem etnobotânica

Autor(a):

Cristiane Soares Pereira da Silva

Resumo:

Este trabalho retrata a utilização de plantas medicinais entre curadores populares e integrantes de comunidades rurais e urbanas de um pequeno município do Centro goiano localizado a 70 km da capital do Estado, Goiânia. Foi solicitada uma autorização de acesso junto ao CGEN/IBAMA como forma de garantir a propriedade intelectual daqueles informantes que detém conhecimentos tradicionais. A escolha do município de Ouro Verde de Goiás foi feita intencionalmente, pois se objetivou investigar o sistema sócio-cultural que rege o uso dos recursos naturais de um dos sete municípios que compõem a Área de Proteção Ambiental do Ribeirão João Leite, Goiás. A escolha do local de estudo baseou-se em critérios demográficos e ecológicos, pois este apresenta uma população relativamente reduzida (cerca de 4.500 hab.) e onde há a predominância de formações florestais, ambientais que ainda não haviam sido especificamente abordados em estudos etnobotânicos para o Cerrado goiano. O trabalho de campo aconteceu entre janeiro e março de 2006 e o pesquisador fixou residência na região por três meses. Através da técnica da bola de neve, foram registrados seis curadores populares, todos do sexo feminino. Foram empregadas entrevistas estruturadas e semi-estruturadas complementadas com técnicas de observação participante, história de vida e grupos de discussão. Houve o registro de 130 espécies distribuídas em 51 famílias, com maior número de representantes em Asteraceae (20), Lamiaceae (10) e Fabaceae (9). As espécies nativas do Cerrado foram coletadas em áreas antrópicas e áreas de vegetação primária, como matas de galeria, bordas de mata e remanescentes de florestas estacionais. O conjunto de saberes tradicionais aliado à dinâmica sócio-cultural das informantes na comunidade faz com que sejam, simbolicamente, tratadas como agentes de saúde locais, na qual exercem um tratamento alternativo para o controle, a prevenção e até mesmo a cura das enfermidades. O saber tradicional das especialistas locais entrevistadas não pode ser extrapolado para os demais membros da comunidade e por isso, também houve a necessidade de averiguar o uso de plantas medicinais entre informantes da zona rural e urbana escolhidos através de uma amostragem aleatória simples. Nesta abordagem, foram empregadas entrevistas estruturadas e cada informante foi visitado uma única vez. A maioria dos entrevistados foi do sexo feminino (82%), pois as mulheres, quase sempre, estão envolvidas nas atividades domésticas e dedicam-se, diretamente, ao cuidado dos filhos e do marido. Foram registradas 98 espécies medicinais distribuídas em 45 famílias, das quais se destacaram as exóticas cultivadas. Dentre as espécies medicinais cultivadas nos quintais e que são utilizadas para outras finalidades na residência foi constatado que 40% são usadas exclusivamente para fins terapêuticos; 29% são utilizadas na alimentação; 21% na ornamentação; e 10% como condimento. Entre os recursos medicinais cultivados nos quintais da zona urbana e rural foi encontrado um índice de similaridade de 67%, evidenciando um número considerável de espécies comuns. Relacionando a freqüência de citação das doenças com o número de espécies citadas sugere-se que gripes, problemas digestivos e transtornos dos rins são as enfermidades mais incidentes na comunidade. Foi constatado que o uso de plantas medicinais, o número de espécies citadas e a presença quintal independem da idade, do grau de escolaridade, do gênero (Ma, Fe), do local de nascimento e da procedência rural/urbana, resultado também encontrado por outras pesquisas etnobotânicas realizadas em Goiás e outros estados brasileiros

Referência:

SILVA, C.S.P. As plantas medicinais no município de Ouro Verde de Goiás, GO, Brasil: uma abordagem etnobotânica. 2007. 153 fl. Dissertação (Mestrado em Botânica), Universidade de Brasília, Brasília – DF. 2007.

Disponível em:

);