Variação intra-anual da vegetação natural na Área de Proteção Ambiental do Planalto Central DF/GO

Autor(a):

João Victor Carvalho de Almeida

Resumo:

Cerrado é o segundo maior Bioma do Brasil, porém possui apenas 8% de áreas legalmente protegidas, com um avanço intenso de sua ocupação a partir de 1970, principalmente para atividades agropecuárias. Nesse cenário de conservação da biodiversidade e uso racional dos recursos naturais, o Sistema Nacional de Unidade de Conservação (SNUC) categorizou as Unidades de Conservação de Uso Sustentável. Dentro desta categoria, destaca-se a Área de Proteção Ambiental (APA), com objetivos básicos de proteger a diversidade biológica, disciplinar o processo de ocupação e assegurar a sustentabilidade do uso dos recursos naturais. Foi nesse contexto que foi criada a Área de Proteção Ambiental do Planalto Central (APAPC), visando proteger os mananciais, regular o uso dos recursos hídricos e o parcelamento do solo, garantindo o uso racional dos recursos naturais e protegendo o patrimônio ambiental e cultural da região. Considerando a diversidade de usos e ocupações e a necessidade de conservação do funcionamento da vegetação natural da APAPC, o objetivo foi caracterizar os padrões intra-anuais da cobertura vegetal natural presente no território da APAPC, por meio de dados orbitais temporais. Foram consideradas as divisões hidrográficas existentes no território da APAPC: Tocantins/Araguaia (TO), São Francisco (SF) e Paraná (PR). Dentro de cada região hidrográfica, foram consideradas as formações florestais (3), savânicas (4) e campestres (12), conforme o Mapbiomas (http://mapbiomas.org). Em cada uma dessas classes de cobertura vegetal natural foram gerados 50 pontos aleatórios, totalizando 450 pontos em toda área da APAPC em plataforma de sistema de informação geográfica. Para avaliação das variações intra-anuais, foram utilizados dados orbitais do Operational Land Imaging (OLI), a bordo do satélite Landsat-8, compreendendo o intervalo entre abril e setembro de 2016, referente à três índices de vegetação: Normalized Difference Vegetation Index (NDVI), Enhanced Vegetation Index (EVI) e Normalized Difference Moisture Index (NDMI). Foram gerados perfis dos padrões temporais dos índices por classe e por bacia hidrográfica. A avaliação das variações da cobertura vegetal foi realizada a Análise de Variância Multivariada Permutacional (PERMANOVA), por meio do programa R, pacote Vegan. Foi constato que todos os valores dos índices reduziram ao longo do período avaliado, tendo sido mais intenso nas formações florestais da bacia do Tocantins/Araguaia. As análises estatísticas analisaram as diferenças entre as médias dos índices das vegetações naturais e indicaram diferença significativa entre todas as bacias hidrográfica (p=0.001). Dentre as interações entre coberturas vegetais naturais das bacias hidrográficas, não foram significativas apenas as interações SF4xTO4 (0.107), PR3xSF3 (0.073) e SF3xTO3 (0.053). Conclui-se que os padrões intra-anuais da vegetação natural da APAPC apresentaram diferenças em função das características fisiográficas das bacias hidrográficas (TO, SF, PR). Tendo em vista que o trabalho foi realizado com apenas um ano (2016), sendo assim, para aprimorar essa abordagem sugere-se o emprego de dados multi-temporais e o emprego de variáveis climáticas.

Referência:

ALMEIDA, João Victor Carvalho de. Variação intra-anual da vegetação natural na Área de Proteção Ambiental do Planalto Central DF/GO. 2018. 26 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Engenharia Florestal)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

Disponível em:

);