Potencial nutritivo de frutos do cerrado: composição em minerais e compnentes não convencional

Autor(a):

Alinne Martins Ferreira Marin

Resumo:

O objetivo dessa pesquisa foi avaliar o potencial nutritivo de 18 frutos do Cerrado brasileiro, através da determinação da composição mineral, do valor calórico e da concentração de taninos e de ácido fítico. As análises foram realizadas nas polpas e amêndoas liofilizadas, e os resultados expresso sem peso fresco. A amêndoa de baru apresentou altas concentrações de zinco, cobre, ferro, fósforo  e magnésio (4.2 ± 0.4; 1.4 ± 0.1; 4.7 ± 0.3; 273.4 ± 8.8; 139.0 ± 6.0 mg/100g). Além da amêndoa de baru, alta concentração de cálcio foi encontrada na macaúba (141.4 ± 7.0; 202.3 ± 134.3 mg/100g, respectivamente). Ambas apresentaram também os maiores valores calóricos (600.1 ± 2.6; 573.2 ± 13.4 Kcal /100g, respectivamente). A amêndoa de baru apresentou as maiores concentrações de ácido fítico e de taninos (1073.6 ± 114.9; 472.2 ± 12.5 mg/100g, respectivamente), os demais frutos não apresentaram diferença significativa na concentração de ácido fítico, exceto jatobá, lobeira, ingá, buriti, murici e marmelinho que apresentaram valores abaixo do limite de detecção. Altos teores de taninos foram também encontrados no jatobá e na lobeira (376.0 ± 38.5; 172.8 ± 9.9 mg/100g, respectivamente). Apenas a amêndoa de baru apresentou razões molares [AF]:[Fe] e [AF]:[Zn] maiores que os valores críticos, 14 e 10, respectivamente, sugerindo baixa biodisponibilidade destes minerais na amêndoa do baru. As razões molares [AF]:[Ca] encontradas para todos os frutos analisados foram inferiores ao valor crítico, 1.56, indicando alta biodisponibilidade de cálcio na polpa ou amêndoas dos frutos. Os resultados sugerem que os 18 frutos estudados, em sua maioria, são boas fontes de cálcio, ferro e zinco. A presença de taninos e ácido fítico sugere um potencial efeito antioxidante dos frutos do Cerrado sendo, entretanto, necessários estudos adicionais, in vivo, que possam testar tanto este potencial antioxidante quanto a biodisponibilidade dos minerais.

Referência:

MARIN, Alinne Martins Ferreira. Pontencial nutritivo de frutos do cerrado: composição em minerais e compnentes não convencional. 2006. 121 f., il. Dissertação (Mestrado em Nutrição Humana)-Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

Disponível em:

);