"Pegada climática" do uso da terra: um diagnóstico do dilema entre o modelo de desenvolvimento agropecuário mato-grossense e mudanças climáticas no período 2001 - 2007

Autor(a):

Diego Pereira Lindoso

Resumo:

Este trabalho tem por objetivo realizar uma avaliação préliminar dos trade-offs entre o atual modelo de desenvolvimento socioeconômico do centro-norte do MT, pautado na grande empresa agropecuária, e a manutenção dos serviços ecossistêmicos climáticos fornecidos pelas florestas e cerrados do estado, assim como estimar as contribuições de GEE da sojicultura, pecuária bovina extensiva e suinocultura. Para tal, elaborou-se a “pegada climática”, índice composto por dois indicadores: desmatamento acumulado e emissões de GEE por setor de uso da terra. Foram selecionados três municípios: Alta Floresta, Sorriso e Feliz Natal, cada um representando um estágio diferente de consolidação da fronteira agrícola, sendo o período analisado compreendido entre 2001 e 2007. Os indicadores foram construídos a partir de dados secundários, tanto oficiais, disponibilizados pelo INPE, IBGE, SEPLAN-MT, IBAMA, IPEA, MCT, quanto por aqueles fornecidos por ONGs (ICV e Imazon) e publicados na literatura especializada. O documento base, no que tange às emissões, foi o Primeiro Inventário Nacional de Emissões antrópicas de GEE, publicado em 2004 pelo MCT. Os resultados sugerem que os municípios em estágios iniciais de consolidação da fronteira agrícola são grandes emissores de GEE, devido ao desmatamento, enquanto aqueles de fronteira mais antiga, nos quais a agropecuária já se estabeleceu, as emissões são menos volumosas e associadas a setores de uso da terra. Contudo, apesar destes últimos geralmente apresentarem economias de baixo carbono, a devastação da maior parte da vegetação original em virtude de sistemas agropastoris resultaram em perdas significativas da capacidade das florestas e cerrados municipais manterem o fornecimento de serviços ambientais essenciais a mitigação das mudanças climáticas. Assim, apesar de não ter sido possível quantificar tais perdas, os resultados encontrados neste trabalho apontam para um modelo de desenvolvimento econômico potencialmente insustentável sob a perspectiva climática, demandando uma nova lógica de apropriação da natureza frente aos riscos que a questão climática representa para o equilíbrio dos sistemas naturais e construídos.

Referência:

LINDOSO, Diego Pereira. “Pegada climática” do uso da terra: um diagnóstico do dilema entre o modelo de desenvolvimento agropecuário mato-grossense e mudanças climáticas no período 2001 – 2007. 2009. 219 f., il. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável)-Universidade de Brasília, 2009.

Disponível em:

);