barro, o genipapo e o giz no fazer epistemológico de autoria Xakriabá: reativação da memória por uma educação territorializada

Autor(a):

Célia Nunes Correa

Resumo:

Esta dissertação de mestrado teve como objetivo refletir sobre os saberes e os fazeres presentes no território, analisando as experiências de educação indígena mesmo antes da presença da escola e depois do amansamento dessa. Deste modo, o título se refere a esse trânsito de ciclos de saberes que envolve as diferentes agências (e agentes) pelas quais se produz o conhecimento, constituindo um fazer epistemológico de autoria Xakriabá. Esta pesquisa foi realizada no território indígena Xakriabá, na aldeia Barreiro Preto, na Escola Estadual Indígena Xukurank. Nos interessa elucidar como a (re)territorialização constitui um eixo troncal na experiência Xakriabá e como a escola se compromete com práticas que propõem um deslocamento do aprender por meio do que é vivido no corpo do território, ou no corpo-território. Buscamos compreender como a escola interage dentro da comunidade e como a mesma tem se comprometido na interlocução com outras narrativas e narradores que tem como matriz formadora o saber fazer pela ciência do território. A essa matriz formadora principiada no território, atribuo o mote para uma educação territorializada, que apresenta como ponto de partida e de chegada a potência da epistemologia nativa, presente na memória e na transmissão oral, além da presença ressonante em melodia na escrita Xakriabá. Metodologicamente, a pesquisa fundamentou-se nas Oficinas Reativadores de Memória: Memória nativa e Memória Ativa. A realização da oficina serviu como base para fortalecimento das transmissões dos conhecimentos tradicionais, por meio da reativa(ação) da memória, que é responsável pela circulação e manutenção da cultura, sobretudo aquela de tradição oral. No decorrer do trabalho busco explicitar o deslocamento de significados da escola na interface com território. Predomina na literatura que trata a experiência do calendário sociocultural nos Xakriabá, uma compreensão de que a cultura vem se firmando como elemento central nas escolas Xakriabá, entretanto, depois de adentrar e analisar esta experiência da escola Xukurank a partir das oficinas, concluímos que o saber corporificado que está ancorado no território é o elemento troncal e que sustenta a escola desde o seu amansamento, sendo o calendário sociocultural parte importante mas não a totalidade desse processo. Nesse sentido, a escola com interface no território tem sido cada vez mais, o lugar de educação territorializada que constitui a todos nós Xakriabá como corpo-território. 

Referência:

CORREA, Célia Nunes. O barro, o genipapo e o giz no fazer epistemológico de autoria Xakriabá: reativação da memória por uma educação territorializada. 2018. 218 f., il. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável)—Universidade de Brasília, 2018.

Disponível em:

);