Metodologia para a classificação de unidades de conservação no cerrado em ordem de prioridade para conservação

Autor(a):

Alessandra Gomes Batista Manzur

Resumo:

O crescente processo de ocupação antrópica no mundo, desde o início do século XX é responsável pela pressão causada à vegetação natural. Esse processo tem deixado as unidades de conservação vulneráveis e em situação de risco, já que sua área vem se tornando cada vez menor e fragmentada. Neste trabalho foi desenvolvida uma análise de vulnerabilidade para três Parques Nacionais (PN) do Bioma Cerrado – PN de Brasília, PN da Serra da Bodoquena e PN da Chapada dos Guimarães. Mais especificamente, as condições de pressão antrópica (uso da terra), topografia (declividade e densidade de drenagem) e solos (fertilidade) das zonas de amortecimento dos parques, definida a partir de um buffer de 10 km, foram analisadas para definir a ordem de prioridade para conservação dos três parques considerados. Os dados de pressão antrópica, topografia e solos foram obtidos, a partir de imagens do satélite Landsat, modelos digitais de elevação do Shuttle Radar Topograpy Mission (SRTM) e mapa de solos da Embrapa, respectivamente. Foi criada uma regra de cruzamento desses dados, com pesos diferentes, para classificar os parques em ordem de prioridade para conservação. Com base nos resultados deste estudo, o PN da Serra da Bodoquena foi o que apresentou maior prioridade para conservação, seguido do PN de Brasília e do PN da Chapada dos Guimarães. A proposta metodológica apresentada nesse estudo tem potencial de ser estendida para outros parques do bioma Cerrado ou de outros biomas. Outros parâmetros como dados climáticos e direção de drenagem podem ser incorporados na metodologia, a qual pode se tornar uma ferramenta importante nos processos de tomada de decisão, planejamento e gestão de políticas públicas e ambientais do país. 

Referência:

MANZUR, Alessandra Gomes Batista. Metodologia para a classificação de unidades de conservação no cerrado em ordem de prioridade para conservação. 2014. 63 f., il. Monografia (Bacharelado em Engenharia Florestal)—Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

Disponível em:

);