Casearia sylvestris

Nomes populares

Guaçatonga, língua-de-tamanduá, pau-de-lagarto, apiá-acanoçu, bugre-branco, café-bravo, cafezeiro-do-mato, cafezinho-do-mato, cambroé, chá-de- bugre, erva-de-bugre, erva-lagarto, erva-pontada, fruta-de-saíra, guaçatunga, guaçatunga-preta, língua-de-teju, língua-de-tiú, paratudo, petumba, varre-forno, vassitonga

Partes utilizadas

Folha, entrecasca, raiz

Descrição

É uma árvore de 3-6 m de altura com folhas simples e de copa arredondada

e densa. Suas flores são pequenas, perfumadas, branco-amareladas e se agrupam em inflorescências axilares. O fruto da guaçatonga tem até 6 mm de diâmetro, é globular e tem coloração de verde a vinho quando maduro (LORENZI E MATOS, 2008; KUHLMANN, 2018). Essa planta ocorre no Norte (Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins), no Nordeste (Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe), no Centro-Oeste (Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso), no Sudeste (Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo) e no Sul (Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina).

Uso medicinal

A guaçatonga é reconhecida por ter propriedades cicatrizantes, antissépticas, fungicidas, antibióticas, antivirais, tônicas, analgésicas, anti-hemorrágicas, anti-histamínicas, cardiotônicas, anti-inflamatórias, depurativas e antirreumáticas (AMERICANO, 2015; LORENZI E MATOS, 2008, KUHLMANN, 2018). Ela tem um poder anticancerígeno orgânico muito forte; essa planta tem o resultado de uma quimioterapia drástica sem o seus violentos efeitos colaterais (AMERICANO, 2018). A guaçatonga é usada em tratamento de queimaduras, herpes, gengivites, estomatites, aftas, feridas na boca. Além disso, ela atua contra úlcera, gastrite, mau hálito (halitose), doenças de pele e também contra veneno de cobra- ela é um antiofídico universal (AMERICANO, 2015; LORENZI E MATOS, 2008, KUHLMANN, 2018).

Formas de uso

Utiliza-se principalmente o chá da folha, mas o pó da entrecasca e da raiz também é muito útil na forma de extratos e chá (AMERICANO, 2015).

Referências Bibliográficas

AMERICANO, Túlio. Fitoterapia Brasileira: uma abordagem energética. Brasília: Cidade Gráfica Editora, 2015. 420 p.

 

KUHLMANN, Marcelo. Frutos e sementes do Cerrado: espécies atrativas para a fauna. 1 ed. Brasília: Ipsis Gráfica e Editora, 2018. 2 v.

 

LORENZI, Harri; MATOS, Francisco José de Abreu. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2. ed. Nova Odessa, Sp: Instituto Plantarum, 2008.

 

MARQUETE, R.; TORRES, R.B.; MEDEIROS, E.S. 2015 Salicaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB14384>.

 

);