Gato-maracajá

Nomes comuns: Gato-do-mato, gato-maracajá, gato peludo, maracajá-peludo.

 

Nome em inglês: Margay.

 

Ameaças e conservação: A perda e fragmentação de habitats naturais é a principal ameaça às populações. Porém, o abate de animais para controle de predação de aves domésticas é outra ameaça importante, assim como atropelamentos, transmissão de doenças por carnívoros domésticos e a caça. É classificado pelo MMA (Ministério do Meio Ambiente, 2014) como espécie VULNERÁVEL. Para a conservação é necessário: 1) Intensificar a fiscalização redução de perda e fragmentação de habitats; 2) Ampliar as áreas protegidas; 3) Conectar os habitats de ocorrência da espécie; 4) Criar um Plano de Ação para a conservação da espécie.

 

Comprimento total: 97 cm (média).

 

Peso: 3,3 Kg (média).

 

Dieta: Predominam pequenos mamíferos (roedores e marsupiais), mas também inclui mamíferos de médio porte (menor que 1,5 Kg), aves e lagartos.

 

Número de filhotes: 1.

 

Gestação: 81 a 84 dias.

 

Longevidade: 24 anos (cativeiro).

 

Estrutura social: Solitário.

 

Padrão de atividade: Noturno.

 

Distribuição geográfica: O gato-maracajá é encontrado desde a zona costeira do México até o norte do Uruguai e Argentina e em todo o Brasil, com exceção do estado do Ceará e metade meridional do Estado do Rio Grande do Sul. No estado do Rio Grande do Norte, Pernambuco, Paraíba, Alagoas e Sergipe é encontrado apenas na Mata Atlântica costeira.

 

Habitat: Ocorre em todos os biomas do Brasil, mas é predominantemente associado a ambientes de floresta, desde formações densas contínuas a pequenos fragmentos em ecossistemas savânicos, de matas primitivas a degradadas.

 

Descrição física: A espécie se caracteriza por apresentar olhos bem grandes e protuberantes, focinho saliente, patas grandes e cauda bastante comprida. As patas traseiras têm articulações especialmente flexíveis, permitindo rotação de até 180 graus, o que lhe dá a rara habilidade entre os felinos de descer de uma árvore de cabeça para baixo. A coloração varia entre amarelo acinzentado e castanho-amarelado, com tonalidades intermediárias. O padrão de manchas é variável, de pintas sólidas a bandas longitudinais. Leopardus wiedii é menor que Leopardus geoffroyi, com pelagem mais macia, pelos mais compridos e cauda mais longa que a dos outros pequenos felinos.

 

Fonte: Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros – CENAP/ICMBio, Disponível em: https://www.icmbio.gov.br/cenap/carnivoros-brasileiros.html Acesso em: 31.agosto.2021

);