Concentração e estoque de nutrientes em seis espécies nativas do cerrado utilizadas em plantio de recuperação de área degradada, Paracatu - MG

Autor(a):

Amanda Caldas Porto

Resumo:

A degradação de áreas naturais tem ameaçado a conservação da biodiversidade e a integridade dos ecossistemas naturais. Como forma de mitigar os impactos negativos da degradação ambiental as ações de recuperação têm se mostrado cada vez mais necessárias e urgentes. Entretanto, para avaliar se o objetivo da recuperação foi atingido é necessário adotar parâmetros, que reflitam a saúde do ecossistema objeto de restauração. Um desses parâmetros que podem se utilizados são os aspectos nutricionais da vegetação, uma vez que, estes atributos estão ligados diretamente com o metabolismo da planta. Neste contexto, este trabalho tem como objetivo avaliar o estado nutricional e quantificar o estoque de macronutrientes em seis espécies nativas do Cerrado utilizadas em plantios de recuperação, no município de Paracatu – MG. Para isso foi realizado plantio baseado no Modelo Nativas do Bioma, que preconiza o uso de espécies de usos múltiplos e nativas do Cerrado. O estudo foi conduzido em uma área de pastagem abandonada localizada no município de Paracatu – MG. Para a análise de macronutrientes foram analisadas amostras de seis espécies nativas, todas da família Fabaceae, sendo duas de Cerrado Sentido Restrito (Platypodium elegans Vogel e Plathymenia reticulata Benth), duas de Mata Seca (Acacia polyphylla D.C e Anadenanthera colubrina (Vell.) Brenan) e duas de Mata de Galeria (Inga laurina (SW.) Willd. e Hymenaea courbaril L.). Foram coletadas amostra da parte aérea e subterrânea de duas mudas de cada espécie na época do plantio em campo e cinco amostras de cada espécie em cada tratamento (plantio em covas e plantio em sulcos), onze meses após o plantio. O solo nas áreas de plantios (covas e sulcos) foi analisado, quanto suas propriedades físico-químicas. Os solos dos dois tratamentos não foram considerados estatisticamente diferentes (Teste F, α = 0,05). De modo geral, os grupos fisionômicos apresentaram concentrações dentro do observado para a vegetação nativa do Cerrado. O teor de Cálcio foi o único elemento significativamente diferente entre os grupos fisionômicos, tanto na fase de mudas quando aos onze meses, sendo as espécies de Mata Seca as que apresentaram maior concentração desse nutriente. Estas espécies também foram as que apresentaram as maiores concentrações de C, N, P e Ca, nos dois tratamentos. Em relação aos estoques de nutrientes as espécies de Mata Seca apresentaram os maiores estoques. Para todos os nutrientes os maiores estoques foram observados no tratamento de sulcos.

Referência:

PORTO, Amanda Caldas. Concentração e estoque de nutrientes em seis espécies nativas do cerrado utilizadas em plantio de recuperação de área degradada, Paracatu – MG. 2012. xv, 91 f., il. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais)—Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

Disponível em:

);