Composição florística e aspectos fenológicos de um fragmento de mata de galeria com vistas à restauração ecológica no cerrado, Distrito Federal

Autor(a):

Natanna Horstmann

Resumo:

O objetivo desse estudo foi caracterizar a composição florística e os aspectos fenológicos (floração e frutificação) de um fragmento de Mata de Galeria, no Distrito Federal, com vistas à restauração ecológica no bioma Cerrado. A coleta de dados foi mensal e ocorreu em um fragmento de Mata de Galeria (Núcleo Rural Tabatinga, Planaltina, DF, bacia do Rio Preto), durante um período de 18 meses pelo método do caminhamento. As espécies foram enviadas para confirmação e depósito no herbário da Embrapa Cenargen (CEN). As espécies foram classificadas em termos de síndromes de polinização e dispersão de diásporos, conforme literatura específica. O fragmento apresentou 148 espécies, 95 gêneros e 54 famílias, sendo 50% das espécies arbóreas, arbustos (21,9%), lianas (13,7%), ervas (7,5%) e subarbustos (6,8%). A floração e/ou frutificação ocorreu durante os 18 meses, com picos de floração em julho, dezembro e maio; e picos de frutificação em fevereiro, março e agosto. A polinização dependente de animais ocorreu em 93% das espécies: a melitofilia foi a principal (51%), insetos pequenos e pouco especializados (15%), ornitofilia (8%), anemofilia (7%), falenofilia (7%), miiofilia (5%), psicofilia (3%), quiropterofilia (2%) e cantarofilia (1%). Quanto à dispersão de diásporos, as quatro síndromes encontradas foram zoocoria (50% das espécies), anemocoria (43%), autocoria (6%) e barocoria (1%). Há um predomínio de árvores, seguidas pelos arbustos, lianas, ervas e subarbustos. Existem recursos de flores e frutos ao longo do ano e três picos de floração e frutificação. A polinização dependente de animais está em quase a totalidade das espécies (93%) e das quatro síndromes de dispersão de diásporos encontradas, a mais comum foi a zoocórica.

Referência:

HORSTMANN, Natanna. Composição florística e aspectos fenológicos de um fragmento de mata de galeria com vistas à restauração ecológica no cerrado, Distrito Federal. 2015. vi, 44 f., il. Monografia (Bacharelado em Engenharia Florestal)—Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

Disponível em:

);