Evento: Brasília Museu Aberto

Brasília Museu Aberto: exposição inova para apresentar os 60 anos de Brasília

Abertura será no dia 17 de dezembro com projeção mapeada no prédio do Congresso Nacional

Estava tudo certo para que a exposição “Brasília – Da Utopia à Capital”, que já passou por 12 países, acontecesse no Salão Negro do Congresso Nacional no mês de abril como uma homenagem pelo aniversário de 60 anos da capital federal. Mas nesse ano tão atípico, os planos tiveram que ser repensados e a mostra, rebatizada de “Brasília Museu Aberto”, ganhou um novo formato e acontecerá entre os dias 18 de dezembro a 17 de janeiro.

A mostra, que conta com patrocínio do SESI, traz registros da época da construção da cidade, cliques únicos do presidente Juscelino Kubitschek, entre outros personagens dessa epopeia que foi trazer a capital federal para o interior do país, além de documentos históricos e obras de arte de artistas da época e de artistas contemporâneos, que revela a síntese do pensamento modernista brasileiro, do qual Brasília é a grande representante com seu traçado urbanístico único criado por Lucio Costa e a harmonia e perfeição das linhas curvas de Oscar Niemeyer.

“Com a pandemia resolvemos reformular todo o projeto e nos adaptar aos novos tempos, mas não abrimos mão de realizar a mostra em um formato totalmente digital, dando assim oportunidade de um acesso amplo, democrático e gratuito a população. A ideia é ressignificar o espaço público transformando a cidade em um grande museu a céu aberto”, afirma Danielle Athayde curadora do projeto.

As imagens, em alta definição, serão exibidas em painéis de LED da Alumi Out of Home, espalhados em locais estratégicos do Distrito Federal, resgatando dessa forma um acesso mais amplo e democrático às artes e cultura e aproximando o espectador da sua própria história. Os painéis poderão ser vistos por quem passar de carro ou mesmo de transporte público e todo o conteúdo das exposições ficará disponível na internet através do site da mostra www.brasiliamuseuaberto.com.br e no instagram @brasiliamuseuaberto. Cada painel de Led exibirá 600 pílulas com apresentação diárias de 15 segundos cada, totalizando 250.00 inserções. Destaque para o painel sequencial, com maior metragem de Led do país, localizado no aeroporto JK, onde acontecerá uma apresentação sequencial de cinco minutos das 24 pílulas com imagens que fazem parte da exposição no dia 18 de dezembro, as 20:00h.

A abertura acontecerá na noite do dia 17 de dezembro com uma projeção mapeada, inédita no edifício do Congresso Nacional, assinada pelo artista e realizador Ronaldo Duque, que marcará a inauguração do projeto no dia 17 de dezembro, das 19h às 23h. Um ciclo de palestras acontecerá via internet, com representantes do SESI, patrocinador do projeto, do Museu do Cerrado da UnB e também com um especialista sobre o tema patrimônio da humanidade.
Entre outros objetivos, a exposição artística virtual, que pretende atingir um público alvo de dois milhões de pessoas, retrata a relevância cultural e social que a cidade representou e ainda representa, com capital do Brasil, e conta com esculturas de Maria Martins, Bruno Giorgi e Alfredo Ceschiatti, pinturas de Carlos Bracher e Alex Flemming, desenhos de Naura Timm, além das fotografias de Marcel Gautherot, Mario Fontenelle, Peter Scheier, Gabriel Gondim, Raymond Frajmund, Rui Faquini, Fabio Colombini, Orlando Brito e Ake Borglund/coleção Mercedes Urquiza, entre outros.

Programa Educativo

O projeto Brasília Museu Aberto contará com um programa educativo, cuja proposta será estimular a capacidade criativa das pessoas e a geração de vínculos afetivos com a cidade, a partir de conteúdos e práticas que margeiam os temas da Agenda 2030 da ONU. Para isso será produzido um E-book educativo com material pedagógico produzido, especialmente, para a exposição a partir da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), tendo a educação como elemento transformador, respeitando a diversidade de pensamentos, mas compreendendo as razões e o benefício sócio-econômico que o título de patrimônio histórico traz para a cidade.

O Cerrado – maior bioma da América do Sul e que ocupa 22% do território nacional – também será tema no portal da exposição. Um espaço voltado para a divulgação de projetos inspiradores criados por apaixonados pelo Cerrado, bem como de conteúdos educativos e experiências práticas capazes de conectar as pessoas ao bioma.

Programação

17/12/20

Projeção mapeada: As quatro visões do Planalto Central do Brasil

Local: Edifício do Congresso Nacional
19:00 as 23:00 horas
• A Natureza: as três grandes bacias hidrográficas do continente sul-americano nascem no Planalto Central do Brasil, a região com maior biodiversidade do mundo, única por sua fauna e vegetação – o Cerrado;
• O Homem: os candangos chegaram de todas as partes, principalmente da região Nordeste do país, para construir a Capital da Esperança;
• A Obra: o gigantesco desafio de erguer uma cidade em apenas cinco anos; e
• A Cidade: aos 60 anos, Patrimônio Cultural da Humanidade, Brasília enfrenta os desafios do crescimento e já é a terceira capital mais populosa do país.

18/12/20

20:00 horas
Exposição virtual Brasília Museu Aberto

Circuito de painéis da Alumi Out of Home
Período: 18/12/20 a 17/01/21

Ciclo de palestras virtuais

18/12/20

15:00 horas
A importância do Cerrado como Patrimônio Nacional

Prof Dra Rosângela Azevedo Corrêa
Faculdade de Educação – UnB
Em geral Brasília é vista apenas por sua arquitetura moderna, as pessoas não reconhecem que a cidade está dentro do Cerrado, berço das águas do Brasil, onde nascem rios que originam seis das principais regiões hidrográficas brasileiras: Parnaíba, Paraná, Paraguai, Tocantins-Araguaia, São Francisco e Amazônica e estão localizados três grandes aquíferos – Guarani, Bambuí e Urucuia –, que são responsáveis pela formação e alimentação desses rios. Toda essa importância hídrica é fundamental para o Brasil que ainda não reconheceu o Cerrado como Patrimônio Nacional desde a Constituição de 1988. Este reconhecimento é fundamental para a proteção dos recursos naturais como das comunidades tradicionais e povos indígenas que vem resistindo às ameaças que o bioma vem sofrendo. Olhar a paisagem do Cerrado é ver floresta, savana e os campos; sentir seus cheiros, sons, sabores, saberes, fazeres, crenças, tradições, hábitos, modos de vida, visões e valores. Cuidar do Cerrado é cuidar do Brasil.

22/12/20

17:00 horas
SesiLab – Arte Ciência e Ressignificação

Palestrante: Gustavo Penna
Arquiteto
Na palestra Sesilab – Arte, Ciência e Ressignificação, o arquiteto Gustavo Penna fala sobre a sua relação com Brasília e sobre o novo projeto para o antigo edifício do Touring Club. Em 2021 será inaugurado o SESILAB em parceria com o Exploratorium, museu de ciência, tecnologia e artes de San Francisco, Estados Unidos. Com projeto original de Oscar Niemeyer, a nova intervenção no Edifício do Touring Club será feita pelo escritório do arquiteto Gustavo Penna, que além de resgatar as características originais do edifício, propõe um uso inovador dos espaços internos, um diálogo amplo com o entorno e o aumento em 2x a área verde existente no terreno. Será o resgate do equipamento para a criação de uma ferramenta de educação, inovação e cultura.

15/01/21

16:00 horas
Patrimônio e Mídias Digitais: estratégias de preservação do Patrimônio Cultural Brasileiro

Palestrante: Dra. Ariadne Ketini Costa de Alcântara
Consultora de Projetos da Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI)

As novas formas de compartilhamento de dados em mídias digitais impulsionam, cada dia mais, a adaptação das políticas públicas de Estado às demandas da sociedade informatizada. Para tanto, é necessário criar estratégias de comunicação que atinjam públicos com interesses diversos, que acessam a internet para obter informações de forma instantânea. O campo da preservação do Patrimônio Cultural está gradualmente adotando ferramentas tecnológicas para auxiliar práticas de conservação e promoção de bens culturais. Nesse sentido, a Educação Patrimonial apresenta-se como uma metodologia que agrega inúmeras possibilidades de difusão da diversidade cultural brasileira, por meio de processos educacionais que podem ser desenvolvidos em ambientes virtuais. A compreensão dessa dinâmica permite a ampliação do alcance que o Patrimônio Cultural pode ter em diferentes contextos, gerando, assim, mecanismos de inclusão social.

);