Atividade antiprotozoária, antifúngica e citotóxica de extratos de plantas do bioma Cerrado, com ênfase em Leishmania (Leishmania) chagasi

Autor(a):

Ellen Tanus Rangel 

Resumo:

Um total de 120 extratos oriundos de 26 espécies pertencentes a 16 famílias de plantas do bioma Cerrado foi avaliado in vitro em formas promastigotas de Leishmania ssp. e epimastigotas de Trypanosoma cruzi. Através dessa triagem foram selecionados 14 extratos ativos, que foram testados em formas amastigotas de Leishmania ssp. e em leveduras Candida ssp. e Cryptococcus ssp. A toxicidade em células NIH-3T3 de fibroblastos de mamífero permitiu verificar a especificidade de ação desses extratos. Os resultados obtidos neste estudo permitiram selecionar o extrato hexânico da folha de Siparuna cujabana (Siparunaceae), com valor de IC50 de 8,75 μg/mL para amastigotas L. (L.) amazonensis, não demonstrando ser tóxico às células de mamífero com valor de IC50 de 378,55 μg/mL para NIH-3T3, apresentando assim índice de seletividade (IS) de 43,2. Esse extrato também foi ativo em Candida albicans ATCC 10231, com valor de concentração inibitória mínina (CIM) de 31,25 μg/mL, Candida krusei LMGO 174, com CIM de 62,5 μg/mL e em Cryptococcus neoformans var. gattii e Cryptococcus neoformans var. neoformans, ambos com CIM de 31,25 μg/mL. Assim, o extrato hexânico da folha de S. cujabana foi avaliado in vivo em camundongos Balb-c infectados com L. (L.) chagasi, na dose de 100 e 250 mg/Kg. Observou-se o percentual de inibição dose-dependente de 52,5% para a menor dose e de 71,2% para a maior. A miltefosina, medicamento referência na dose de 40 mg/Kg, apresentou 81,6% de inibição. A espécie Renealmia alpinia (Zingiberaceae) também destacou-se pela sua importante atividade. Para as formas amastigotas de L. (L.) chagasi e L. (L.) amazonensis, o extrato diclorometânico do rizoma desta planta apresentou IC50 de 6,03 e 11,58 μg/mL. Para as células de mamíferos, esse extrato apresentou IC50 de 235,38 μg/mL, com índice de seletividade de 39 para L. (L.) chagasi  Este extrato apresentou ainda atividade para as formas epimastigotas de T. cruzi (IC50 = 50 μg/mL), atividade próxima ao Benznidazol (IC50 = 46 μg/mL), medicamento referência do teste, e utilizado para o tratamento da doença de Chagas. O extrato diclorometânico do rizoma de R. alpinia foi ativo em leveduras: Candida krusei LMGO 174 (CIM de 31,5 μg/mL), C. parapsilosis ATCC 22019 e C. glabrata LMGO 44 (ambos com CIM de 125 μg/mL) e em Cryptococcus neoformans var. gattii (CIM de 31,5 μg/mL) e Cryptococcus neoformans var. neoformans (CIM de 7,81 μg/mL). O fracionamento cromatográfico biomonitorado do extrato hexânico da folha de S. cujabana e do extrato diclorometânico do rizoma de R. alpinia está sendo feito, com a perspectiva de identificação e desenvolvimento de compostos líderes para o tratamento da leishmaniose.

Referência:

RANGEL, Ellen Tanus. Atividade antiprotozoária, antifúngica e citotóxica de extratos de plantas do bioma Cerrado, com ênfase em Leishmania (Leishmania) chagasi. 2010. 131 f., il. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde)-Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

Disponível em:

);