Análise da qualidade fisiológica de sementes de Handroanthus impetiginosus (Mart. Ex Dc.) Mattos

Autor(a):

Alexandre Espíndola Viana

Resumo:

O Cerrado vem sofrendo baixas consideráveis em sua formação florestal causadas pelo interesse em ampliar áreas de monocultura na região central do país, destacando-se a importância do reflorestamento. As potencialidades genéticas das sementes e a qualidade das mudas são os fatores que determinam o sucesso de um reflorestamento. Portanto é relevante que se tenha conhecimento sobre as espécies recomendadas para a condução dessa forma de manejo. O ipê-roxo é indicado em recuperação de áreas degradadas devido a sua exuberância e por gerar aumento da variabilidade genética. O objetivo deste trabalho foi verificar a adequação dos testes de condutividade elétrica e do pH do exsudato-fenolftaleína para análise da qualidade fisiológica das sementes de Handroanthus impetiginosus (Mart. ex DC.) Mattos. Ambos os testes foram conduzidos em três tempos de embebição (30, 60 e 90 min), sendo que se empregou as soluções de carbonato de cálcio e fenolftaleína no teste de pH de exsudato (método colorimétrico). Ao final dos testes, as sementes foram colocadas para germinar em substrato rolo de papel, a 25ºC, com fotoperíodo de 12 horas de luz, por 30 dias. O delineamento estatístico adotado foi o inteiramente casualizado, com quatro repetições de 100 sementes. Nas condições testadas neste trabalho os testes de condutividade elétrica não se mostraram adequados para diagnosticar o vigor das sementes de Handroanthus impetiginosus, mas o de pH de exsudato-fenolftaleína foi considerado válido.

Referência:

VIANA, Alexandre Espíndola. Análise da qualidade fisiológica de sementes de Handroanthus impetiginosus (Mart. Ex Dc.) Mattos. 2017. ix, 38 f., il. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Engenharia Florestal)—Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

Disponível em:

);