Alometria de uma espécie de planta nativa do cerrado: Ouratea hexasperma (St.Hil) Bail (Ochnaceae)

Autor(a):

Breno Barboza da Silva

Resumo:

O Cerrado brasileiro sentido restrito apresenta árvores retorcidas, inclinadas e tortuosas. Diante das peculiaridades da arquitetura dessas árvores este trabalho teve como objetivo analisar se a regra de Da Vinci pode ser aplicada à espécie Ouratea hexasperma (St.Hil) Bail (Ochnaceae). Foram tomadas as medidas do perímetro do tronco e ramos, até o terceiro nível de ramificação, de 30 árvores. Os resultados mostraram que quando se considera a soma total das áreas de todas as ramificações, por nível de altura, há um crescimento linear. O mesmo resultado é obtido quando a arquitetura da árvore é decomposta em módulos. Em ambos os tipos de análises, a soma das áreas aumenta embora a diferença entre os níveis diminua, e tenta a estabilizar, nunca chegando a zero. Em ambos os casos, os resultados tende se a recuperar a forma tridimensional simplificada das árvores, similar a de uma secção de cone invertido. Desta forma, a lei de Da Vinci não se aplica à arquitetura da espécie Ouratea hexasperma.

Referência:

SILVA, Breno Barboza da. Alometria de uma espécie de planta nativa do cerrado: Ouratea hexasperma (St.Hil) Bail (Ochnaceae). 2017. 16 f., il. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Ciências Naturais)—Universidade de Brasília, Planaltina-DF, 2017.

Disponível em:

);