SOS POVO XAVANTE! SOS CERRADO!

A nova BR-080 passará perto de uma área que abriga a mais antiga aldeia xavante da região, a Sõrepré. A obra é alvo de investigação do Ministério Público Federal na tentativa de evitar que se repita lá o que aconteceu durante a duplicação da BR-158, em maio de 2017, quando sete sítios arqueológicos na região da terra indígena Marãiwatsédé foram destruídos.

 

Um dos responsáveis pela denúncia na ONU que gerou a recomendação ao governo brasileiro foi o líder xavante Hiparidi Toptiro, que foi até Genebra, na Suíça, entregar pessoalmente o documento. Hiparidi diz que nenhum xavante foi consultado sobre a construção da rodovia. “A aldeia antiga Sõrepré é de todo povo Xavante, mas a consulta não foi feita, eles querem apagar nossa memória, se alguém falar que houve consulta está mentindo”, diz Hiparidi, que é presidente da Associação Xavante Warã. “Sõrepré é a memória do povo, é o berço da história do povo Xavante”, completa.

 

arquiteto e professor da Universidade de Brasília (UnB) Paulo Tavares, autor de um mapeamento das aldeias ancestrais do povo xavante, entre elas a Sõrepré, diz que é incorreto dizer que não se pode determinar que os bens arqueológicos não possuem relação com o povo Xavante, como relatou o CNA. Ele afirma que a região é marcada pela enorme memória indígena e que a rodovia destruirá áreas que deveriam ser preservadas.  

 

Leia a notícia completa em: https://piaui.folha.uol.com.br/asfaltando-memoria-indigena/

);