Onça Pintada

Nomes comuns: Onça-pintada, onça-preta, jaguaretê, canguçu.

 

Nome em inglês: Jaguar.

 

Ameaças e conservação: Perda e fragmentação de habitat, associadas principalmente à expansão agropecuária, mineração, implantação de hidrelétricas e ampliação da malha viária, são as principais ameaças à conservação. É classificado pelo MMA (Ministério do Meio Ambiente, 2014) como espécie VULNERÁVEL. O ‘‘Plano de Ação para a Conservação da Onça-Pintada’’ prioriza: 1) Redução do impacto da ocupação humana dentro de áreas prioritárias para a conservação da espécie; 2) Redução do impacto ambiental nas áreas prioritárias para a conservação da espécie atingidas por grandes empreendimentos; 3) Fiscalização a fim de coibir a caça por retaliação e esportiva; 4) Programas de educação ambiental com foco em onça-pintada; 5) Estratégias de mitigação de conflitos; 6) Redução do número de espécimes retirados da natureza.

 

Comprimento total: Até 2,70 m (máxima).

 

Peso: Entre 35 kg e 158 kg.

 

Dieta: Pequenos mamíferos, répteis e aves até grandes como antas, queixadas, veados, jacarés, sucuris.

 

Número de filhotes: 1 a 4.

 

Gestação: 90 a 111 dias.

 

Longevidade: 15 anos (vida livre).

 

Estrutura social: Solitária.

 

Padrão de atividade: Diurno e noturno.

 

Distribuição geográfica: Ocorre em quase todos os biomas brasileiros, com exceção do Pampa.

 

Habitat: A onça-pintada pode habitar diferentes tipos de ambientes, de florestas tropicais a regiões semi-desérticas. A espécie parece evitar áreas com elevada altitude, apesar de haver registros de ocorrência de onça-pintada em áreas com 3.800 m. Além disso, a espécie evita áreas com atividade humana. Em áreas rurais, próximas a ambientes naturais da espécie, elas podem atacar rebanhos domésticos, ocasionando conflitos com proprietários rurais. Não há indícios de que onças-pintadas possam se adaptar a ambientes alterados pela ação humana, porém alguns animais foram fotografados, por meio de armadilha fotográfica, em reflorestamento de eucalipto.

 

Descrição física: Sua pelagem varia do amarelo-claro ao castanho-ocreáceo e é caracterizada por manchas pretas em forma de rosetas de diferentes tamanhos. Estas rosetas são como a “impressão digital” do animal e servem para diferenciá-lo, pois cada indivíduo possui um padrão único de pelagem. Existe também a variação melânica da espécie, que são onças com uma coloração de fundo preto, mas que também possuem as rosetas.

 

Fonte: Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros – CENAP/ICMBio, Disponível em: https://www.icmbio.gov.br/cenap/carnivoros-brasileiros.html Acesso em: 26.agosto.2021

);