Mapa do Veneno no Maranhão

A Rede de Agroecologia do Maranhão (RAMA) e a Federação dos Trabalhadores Rurais, Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado do Maranhão (FETAEMA), em colaboração com o Laboratório de Extensão, Pesquisa e Ensino de Geografia da Universidade Federal do Maranhão (LEPENG), apresentam um levantamento cartográfico do uso indiscriminado de veneno em comunidades tradicionais no estado por parte do agronegócio.

 

O mapa intitulado “Territórios Diretamente Vitimados por Agrotóxicos no Maranhão – janeiro a abril de 2024”, aponta que 34 comunidades tradicionais, quilombolas e assentamentos rurais em 12 municípios de nosso estado estão sofrendo graves consequências devido à pulverização de agrotóxicos.

 

Lamentavelmente, essa prática tem se tornado cada vez mais comum, trazendo consigo uma série de impactos para essas comunidades e para a natureza, como a contaminação das águas, envenenamento dos alimentos, perda de produção da agricultura familiar, além de adoecimento, tanto físico quanto psicológico.

 

Estamos diante de uma verdadeira guerra química contra as comunidades tradicionais. Além de promover a grilagem de terras e o desmatamento de ecossistemas vitais como o cerrado, a Amazônia maranhense e a Mata dos Cocais, essa guerra busca amedrontar as comunidades, forçando-as a abandonar suas terras para o avanço do agronegócio.

 

Queremos Territórios Livres de Veneno!

Conheça e apoie nossa a Campanha “Chega de Agrotóxicos!”

 

*Texto completo no site da Rama:

 

#OAgroÉTóxico #chegadeagrotóxicos #campanhapermanentecontraosagrotoxicosepelavida #VozesDaAmazôniaPelaAçãoClimática #CoalizãoAmazôniaMaranhense #AgroecologiaParaProteçãoDasFlorestasDaAmazônia #VACBrasil #açãoclimática #voicesforjustclimateaction

);