Lobo-guará

Nomes comuns: Lobo-guará, lobo-de-crina, lobo-de-juba, lobo-vermelho, lobo.

 

Nome em inglês: Maned wolf.

 

Ameaças e conservação: Mortalidade devido a atropelamento, perda do hábitat, perseguição devido a conflitos com produtores rurais e possíveis doenças transmitidas por cães domésticos.  Como medidas para a conservação, o Plano de Ação Nacional para a Conservação do Lobo-Guará, tem o objetivo: 1) Promover a integração entre instituições de pesquisa, agências de fomento e de financiamento, poder público, organizações da sociedade civil e instituições mantenedoras; 2) Caracterizar, avaliar e gerir o impacto de alterações ambientais sobre as populações de lobo-guará; 3) Aumentar a efetividade da educação para a conservação do lobo-guará; 4) Reduzir conflitos entre as comunidades e o lobo-guará. É classificado pelo MMA (Ministério do Meio Ambiente, 2014) como espécie VULNERÁVEL.

 

Comprimento total: 1,49 m (média).

 

Peso: 34 Kg.

 

Dieta: É uma espécie onívora generalista e oportunista com variação sazonal na alimentação. Consome uma grande diversidade de frutos, como a lobeira (Solanum lycocarpum), a qual dispersa as sementes pelas fezes, e pequenos vertebrados, como roedores, marsupiais, tatus, aves, répteis, bem como artrópodes. Podem incluir em sua alimentação presas de maior porte como veado-campeiro, raposa-do-campo, cachorro-do-mato, tamanduás-bandeira e porcos-do-mato.

 

Número de filhotes: 1 a 5.

 

Gestação: 60 a 65 dias.

 

Longevidade: 10 a 12 anos (vida livre) e 22 anos (cativeiro).

 

Estrutura social: Solitário.

 

Padrão de atividade: Crepuscular e noturno.

 

Distribuição geográfica: Se distribuíam amplamente pelas áreas de campos e Cerrados da região central da América do Sul, indo dos limites do nordeste brasileiro, sudoeste Peruano, norte e leste da Bolívia e Chaco paraguaio. No Brasil, ocorre principalmente no Cerrado, até a região de transição com a Caatinga, mas também ocorre na porção leste do Pantanal e nos campos gerais no sul do país.

 

Habitat: Ocorre em áreas abertas de campos e matas de capoeira podendo habitar áreas de campos e planícies onduladas, bem como regiões de brejo e baixadas alagadas. Devido ao desmatamento da floresta atlântica, vem ampliando seu território uma vez que áreas abertas e capoeiras vão surgindo.

 

Descrição física: Caracterizado pela pelagem dourada-avermelhada, porém negra nas patas, focinho e nos pelos da nuca, formando uma densa crina. A garganta, interior das orelhas e cauda são brancas. As orelhas são grandes e eretas e os membros alongados.

 

Fonte: Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros – CENAP/ICMBio, Disponível em: https://www.icmbio.gov.br/cenap/carnivoros-brasileiros.html Acesso em: 31.agosto.2021

);