Atividade antioxidante de frutos do cerrado e identificação de compostos em Bactris setosa Mart., Palmae (Tucum-do-Cerrado)

Autor(a):

Fernanda Ribeiro Rosa

Resumo:

Objetivo: O presente estudo avaliou o teor de compostos bioativos e a capacidade antioxidante de 12 frutos do Cerrado em relação a maçã Red Delicious, e identificou e quantificou alguns compostos fenólicos presentes fruto que apresentou maior teor de bioativos e capacidade antioxidante. Materiais e Métodos: A atividade antioxidante (AA) dos extratos aquoso (EAq) e acetato de etila (EAE) dos frutos do Cerrado: araticum (Annona crassiflora Mart.); baru (Dipteryx alata); cagaita (Eugenia dysenterica DC.), cajuzinho (Anacardium humile St. Hil.), guariroba (Syagrus oleracea), ingá (Inga laurina Willd.), jatobá (Hymenaea stigonocarpa Mart.), jenipapo (Genipa americana L.), jurubeba (Solanum paniculatum L.), lobeira (Solanum grandiflorum Ruiz & Pav.), mangaba (Hancornia speciosa), tucum-do-Cerrado (Bactris setosa Mart), foi determinada pelos ensaios da capacidade redutora de ferro (FRAP) e sistema β-caroteno/ácido linoléico, e o teor de antocianinas totais (AT), flavonóides amarelos (FA), flavanóis, carotenóides totais e ácido ascórbico (AAsc) foram determinados por ensaios espectrofotométricos. Nas partes do fruto selecionado (casca e polpa) também foram utilizadas essas metodologias, e ainda o teor de fenólicos totais (FT). A identificação e quantificação dos compostos fenólicos foram realizadas em sistema HPLC-DAD, no extrato aquoso (EAq) e suas frações: acetato de etila e metanol/água, e nos extratos etanólico (EE) e metanólico (EM) acidificados. Resultados: O araticum e o tucum apresentaram teor de flavanóis totais 15 a 19 vezes superior ao da maçã. Em relação ao conteúdo de AT, o tucum apresentou concentração 35 vezes maior que o valor obtido para a maçã, e um alto teor de AT também foi encontrado no cajuzinho, jurubeba e jatobá. Em relação a AA, o EAE do tucum apresentou o maior valor de FRAP, 6 vezes maior que o valor obtido para o EAE da maçã, enquanto os valores de FRAP dos EAE do araticum, cagaita, cajuzinho e lobeira foram 2 vezes superiores ao EAE da maçã. Os EAq do tucum e do araticum obtiveram os maiores valores de FRAP, seguidos da cagaita, cajuzinho, jurubeba e mangaba. No ensaio de oxidação β-caroteno, o EAq do tucum apresentou a segunda maior AA, 6 vezes maior que o da maçã, seguido dos EAq do araticum, cagaita, amêndoa do baru, mangaba e jurubeba. Apenas o tucum e mangaba tiveram valores superiores a maçã pelo sistema β-caroteno no EAE. Em relação ao estudo envolvendo a casca e a polpa do tucum, foi obtido um alto teor de FT, flavonóis, AT e FA na casca do fruto (112, 14, 264 e 64 vezes maior na casca comparados a polpa, respectivamente). Os EAq, EM e EE da casca do tucum apresentaram maior AA comparados aos da polpa. Entre os flavonóides identificados nos extratos da casca do tucum estão: flavanol (catequina); flavonóis (quercetina e rutina); ácidos fenólicos (gálico, ferúlico e caféico), e antocianinas (cianidina). Conclusão: Os resultados sugerem que os fenólicos representam os principais compostos bioativos dos frutos do Cerrado, e que particularmente os frutos araticum, cagaita, lobeira, tucum, cajuzinho, jurubeba e mangaba possuem alto teor de bioativos e alta capacidade antioxidante. A capacidade antioxidante e o conteúdo de compostos bioativos do tucum-do-Cerrado estão associados principalmente a sua casca, sendo a catequina, antocianinas, ácido gálico e a rutina os principais compostos fenólicos identificados.

 

Referência:

ROSA, Fernanda ribeiro. Atividade antioxidante de frutos do cerrado e identificação de compostos em Bactris setosa Mart., Palmae (Tucum-do-Cerrado). 2013. 145 f., il. Tese (Doutorado em Nutrição Humana)—Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

Disponível em:

);