Croton campestris

Nomes populares

Velame, velame-do-campo

Partes utilizadas

Folhas, ramas, flores, raízes

Descrição

É uma planta que cresce em moitas e possui de 1 a 2 metros de altura. Suas folhas são verde-acinzentadas e quando maduras adquirem a cor vermelho-alaranjada. As flores dessa planta se estruturam numa espiga e são pequenas e brancas. O velame ocorre no Norte (Tocantins), no Nordeste (Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí), no Centro-Oeste (Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul) e no Sudeste (Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro).

Uso medicinal

O uso interno da garrafada do velame, em pequenas quantidades, é usado para o tratamento de derrame e má circulação do sangue. No caso de derrame, o líquido da garrafada preparada com cachaça também pode ser usado para massagear os membros que ficaram sem movimento, como pernas e braços. O chá da raiz também serve para tratar o derrame, podendo ser ingerido em pequenas quantidades ou usado para dar banhos na pessoa doente. 

 

O chá da raiz ou folhas é usado para reumatismo e o seu emplasto é usado para dor nas juntas. 

 

A garrafada da raiz curtida na cachaça auxilia no tratamento e prevenção da epilepsia.

 

O chá da raiz em pequenas quantidades é usado para tratar febre e gripe. Quando a febre é em criança, o indicado é dar um banho com o chá da planta toda, ou colocar um travesseiro de folhas e flores debaixo da cabeça da criança. 

 

O xarope da raiz é bom para tratar gripe, pneumonia, asma, falta de ar e tosse.

 

O chá das raízes ou folhas é bom para constipação, isto é, o mal provocado quando a pessoa sai ao vento com o corpo quente, ficando rouco e com febre. 

 

O velame é muito usado como purgante e vermífugo na forma de chá das raízes e, o uso da tapioca misturada à comida é usado como purgante. Para esses usos, durante o tratamento, é necessário fazer dieta alimentar e evitar exposição ao sol. 

 

A tapioca é usada para tratamento de hemorroidas. 

 

O chá das folhas é usado para banhar os olhos no tratamento da vilidra. 

 

O chá das folhas é usado na forma de banho para tratar a pira ou sarna. 

 

A garrafada é usada como depurativo do sangue, para tratar má digestão e menstruação descontrolada. 

 

O velame também é usado para tratar animais de criação. Para o mal de galinha, isto é, quando a ave apresenta tonteira e fica com o pescoço duro, é indicado socar a raiz do velame na água e dar para as galinhas beberem (FARMACOPEIA POPULAR DO CERRADO, 2009).

 

Formas de uso

O velame pode ser preparado nas formas de chá, garrafada, xarope, banho, emplasto, travesseiro e tapioca.

 

A raiz do velame deve ser usada sempre seca; já as folhas maduras podem ser usadas verdes ou secas.


A garrafada é feita com as folhas e raízes do velame colocadas para curtir na cachaça ou no vinho branco. A garrafada deve ser ingerida em quantidades pequenas e quando for feita na cachaça, a dose deve ser bem menor e medida em gotas.


O chá pode ser feito da raiz ou das folhas e deve ser usado em pequenas quantidades. Recomenda-se usar as folhas mais amareladas, pois as mais novas podem causar intoxicação.


O chá e a garrafada da raiz têm a cor escura e o gosto amargo.

 

O banho se faz com o chá da planta toda. O emplasto se faz com o chá das folhas ou raiz seca. O travesseiro de velame é feito de suas folhas e flores. O xarope se faz com a raiz seca.


A tapioca tem uso interno e é usada misturada na comida ou na água (FARMACOPEIA POPULAR DO CERRADO, 2009).

Contraindicações

O uso desta planta não é indicado para mulheres grávidas.


Os remédios caseiros preparados com álcool não devem ser ingeridos por hipertensos ou por pessoas que estejam utilizando medicamentos. Os remédios caseiros preparados com açúcar não devem ser ingeridos por diabéticos (FARMACOPEIA POPULAR DO CERRADO, 2009). 

Cuidados

O velame é uma planta forte e tem que ser usada em pequenas quantidades. Se a dose for acima da recomendada, pode provocar intoxicação, com os sintomas de vômito e tonteira (FARMACOPEIA POPULAR DO CERRADO, 2009). 

Referências Bibliográficas

DIAS, J.E.; LAUREANO, L.C. (Coord.) Farmacopeia Popular do Cerrado. 1 ed. Goiás: Articulação Pacari, 2009.

 

CORDEIRO, I.; SECCO R.; CARNEIRO-TORRES, D.S.; LIMA, L.R. de; CARUZO, M.B.R.; BERRY, P.; RIINA, R.; SILVA, O.L.M.; SILVA, M.J.da; Sodré, R.C. 2015 Croton in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB17507>.

);