Fungos do Cerrado

fundo_fungos
Fungos - nem plantas, nem animais: fungos!
Fungos são amigos, e comida!

No que diz respeito aos ambientes que os fungos habitam, estes podem ser os mais diversos possíveis. A grande maioria dos fungos vive no solo atuando no importante papel de ciclagem dos nutrientes, a decomposição, em especial da lignina, composto que forma os troncos de árvores muito difícil de ser digerido. Além do solo, podem ser parasitas de plantas e animais, causando doenças, como a ferrugem em plantas (Puccinia spp.) e a micose em humanos (diversas espécies causadoras). Outros tipos de fungos muito conhecidos são as leveduras, utilizados como agentes fermentadores de pães e bebidas alcoólicas, sendo o maior representante a espécie Saccharomyces cerevisiae.

Fungos no Cerrado
Coleção Micológica do Herbário Universidade de Brasília (CMHUB)

Nos anos 60, pesquisas sobre fungos do Cerrado foram interrompidas com a ausência de dois ícones da micologia brasileira: Augusto Chaves Batista (falecido em 1967) e Ahmés Pinto Viégas (aposentado em 1968). Eles contribuíram com a descrição de uma centena de espécies novas de fungos do Cerrado, com base em amostras coletadas por Ezechias Paulo Heringer, professor emérito da Universidade de Brasília (UnB). Grande parte da coleção de fungos de Heringer, pioneiro da botânica brasileira, foi incorporada ao que é hoje a Coleção Micológica do Herbário UB (CMHUB), localizada no Departamento de Fitopatologia, do Instituto de Ciências Biológicas (IB).


Após 27 anos de pesquisas, existem hoje quase 25 mil espécimes de fungos na Coleção Micológica. Eles estão armazenados em um fungarium moderno com temperatura em torno de 16ºC. São 150 holótipos de novos fungos, além de vouchers referentes a mais de 20 gêneros novos, e um gênero-tipo da primeira família de ascomicetos estabelecida com base em material coletado no bioma. Essas novidades científicas figuram em periódicos vinculados às mais importantes sociedades científicas dedicadas à micologia, como a citada Mycologia (EUA), além da Mycological Research (Reino Unido), Mycological Progress (Alemanha), IMA Fungus (Holanda), Phytotaxa (China) e Mycotaxon (EUA).


A coleção tem representantes de fungos de todos os parques nacionais localizados no Cerrado, como a Chapada dos Veadeiros, o Parque Nacional de Brasília, a Estação Ecológica das Águas Emendadas, a Chapada dos Guimarães, o Parque Grande Sertão Veredas, a Fazenda Água Limpa-UnB.

Referências bibliográfica

Armando, E. A. D. S. (2014). Fungos epifíticos e fitopatogênicos associados a plantas do Cerrado.

 

Bergamin Filho, A., Kimati, H., & Amorim, L. (1995). Manual de fitopatologia: princípios e conceitos.

 

Berude, M. C., Almeida, D., Riva, M., Cabanêz, P., & Amaral, A. (2018). Micorrizas e sua importância agroecológica. Enciclopédia Biosfera, 11(22), 132.

 

Cordeiro, M. A. S., Carneiro, M. A. C., Paulino, H. B., & Junior, O. J. S. (2005). Colonização e densidade de esporos de fungos micorrízicos em dois solos do cerrado sob diferentes sistemas de manejo. Pesquisa Agropecuária Tropical, 35(3), 147-153.

 

Demite, P. R., & Feres, R. J. F. (2007). Influência de fragmentos de cerrado na infecção fúngica em ácaros de seringueira. Arq. Inst. Biol, 74, 271-273.

 

Do Brasil, F. (2016). 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em:< http://floradobrasil. jbrj. gov. br/>. Acesso em, 06/09/2019.

 

Embrapa. Bioma Cerrado. Link disponível em: <https://www.embrapa.br/cerrados/colecao-entomologica/bioma-cerrado.> Acesso em: 22/09/2019.

 

Ishida, K. Características gerais dos fungos. Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia. Link disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4145100/mod_resource/content/1/Caracteristicas%20gerais%20de%20fungos.pdf>. Acesso em 04/09/2019 e 11/09/2019

 

Letunic, I., & Bork, P. (2006). Interactive Tree Of Life (iTOL): an online tool for phylogenetic tree display and annotation. Bioinformatics, 23(1), 127-128.

 

Museu Virtual do Cerrado. Morfotaxonomia, micodiversidade e filogenia molecular de fungos e mixomicetos do Cerrado. PPBio-UnB. Link disponível em: <http://www.mvc.unb.br/sobre-mvc/projetos/fungos> . Acesso em 24/09/2019

 

Secretaria Municipal de Educação de Curitiba. Fungos. Link disponível em: <https://educacao.curitiba.pr.gov.br/conteudo/fungos/6291> . Acesso em 07/09/2019.

 

Serra, R., Dias, N. M., & Lima, N. (2005). Fungos: ciência, tecnologia, sociedade e educação ambiental. (23-24)

Souza, E. S. D. C. D. (2011). Alguns fungos presentes em plantas nativas e exóticas do Cerrado.

 

Sperandio, E. M. (2012). Ocorrência, diversidade e potencial biotecnológico de leveduras associadas a plantas do Cerrado.

 

Viégas, A. P. (1943). Alguns fungos do cerrado. Bragantia, 3(4), 49-72.

 

Viégas, A. P. (1944). Alguns fungos do Brasil: II. ascomicetos. Bragantia, 4(1-6), 5-392.

);