Raposa-do-campo

Nomes comuns: Raposa-do-campo, raposinha, raposinha-do-campo.

 

Nome em inglês: Hoary fox, hoary zorro, small-toothed dog.

 

Ameaças e conservação: Destruição de hábitat, ações antrópicas, expansão da fronteira agropastoril, supressão de habitats, crescimento dos centros urbanos, crescente exploração da madeira para fornecimento de carvão, expansão da malha viária e ferroviária, atropelamentos, ataques por cães domésticos, transmissão de patógenos (pela proximidade com animais domésticos) como cinomose, parvovirose canina. Não há ações de conservação específicas. Ações necessárias incluem: 1) Priorizar a proteção dos habitats adequados à sobrevivência, específicos do bioma Cerrado; 2) Realização de um Plano de Ação Nacional (PAN) para a conservação da raposa-do-campo. É classificado pelo MMA (Ministério do Meio Ambiente, 2014) como espécie VULNERÁVEL.

 

Comprimento total: 90 cm (média).

 

Peso: 2 a 4 Kg.

 

Dieta: Carnívoro insetívoro-onívoro, que utiliza cupins como a base de sua alimentação. Também consome besouros, gafanhotos, pequenos mamíferos, lagartos, serpentes, anuros, aves, frutos silvestres e exóticos (pode ser considerado um dispersor de sementes devido à alta diversidade de frutos consumidos e à elevada presença de sementes intactas nas fezes).

 

Número de filhotes: 2 a 5.

 

Gestação: 50 dias.

 

Longevidade: 12,6 anos (cativeiro).

 

Estrutura social: Solitário.

 

Padrão de atividade: Crepuscular e noturno.

 

Distribuição geográfica: Endêmica do Brasil. Estende-se do centro-nordeste e oeste do estado de São Paulo ao norte do Piauí e médio-leste do Maranhão, incluindo os estados do Mato Grosso (centro-sul) e Mato Grosso do Sul, sul de Rondônia, Goiás, Tocantins, Distrito Federal, sudoeste da Bahia, e centro-oeste de Minas Gerais.

 

Habitat: Áreas de vegetação savânica do Cerrado com planícies e chapadões bem drenados, preferindo fisionomias de campos ou com vegetação mais rala e espaçada como os campos limpos, campos sujos e campos cerrados. Pode ser encontrada em zonas de transição, incluindo hábitats abertos no Pantanal.

 

Descrição física: Canídeo de porte pequeno, com focinho curto e dentes pequenos. Pelo é curto e de coloração acinzentada tendo a parte inferior clara e as orelhas e pernas são avermelhadas.

 

Fonte: Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros – CENAP/ICMBio, Disponível em: https://www.icmbio.gov.br/cenap/carnivoros-brasileiros.html Acesso em: 01.setembro.2021

);