Paleoecologia do Cerrado

O Cerrado é o bioma mais antigo do Brasil. Ele começou a se formar na Era Cenozoica há cerca de 60 milhões de anos em uma época denominada paleoceno, mas foi no Eoceno (época que precede o Paleoceno), há mais ou menos 45 milhões de anos, que ele começou a tomar a linda forma que conhecemos hoje. 

Antes de mais nada, é necessário entender o que é ecologia. A ecologia nada mais é do que o estudo de interação de organismos com outros e com seus ambientes. Portanto, a paleoecologia estuda a interação dos organismos extintos entre si em seus ambientes da época.

Como já foi dito na introdução de Paleoecologia, é necessário entender o que vem depois do sufixo “paleo”. E com o Paleoambiente não é diferente. É a área da paleontologia que estuda os ambientes em um passado geológico. Mas como é possível saber qual era o ambiente de determinada região? Rochas. As rochas são para os geólogos, o mesmo que livros são para historiadores. Mas como uma rocha pode contar a história de determinado local? As rochas utilizadas na identificação de determinado paleoambiente são as sedimentares que por sua vez são compostas por grãos. Esses grãos variam desde uma granulometria muito fina (argila) até os matacões com muitos centímetros de diâmetro. Um lugar onde tem predominância de argilitos e siltitos (rochas de argila e silte) é sinal de que esses grãos foram depositados em um lugar com baixa energia como um lago, um mangue, um pântano ou até o mar (depende da profundidade). Usando apenas sobre o Goiás como exemplo. No Grupo Paranoá (deposição de sedimentos), que data do mesoproterozoico (1,5 bilhão de ano) a presença de ardósia (rocha metamórfica proveniente do argilito) indica uma calmaria nesse período, e também pela extensão, sugere que a região já esteve de baixo do mar (cerca de 200 metros). Ou seja, O GOIÁS JÁ FOI MAR!

Porém o Cerrado é bem mais recente que isso,  e não houve grandes eventos como a presença de uma mar. Alguns milhares de anos para a geologia é como alguns segundos para nós seres humanos. E foi em alguns milhares de anos que aconteceram os maiores eventos ambientais e climáticos do Cerrado, como é evidenciado um ressecamento entre 18 mil e 22 mil anos no Cerrado a partir de levantamentos feitos em um lago no Sítio Águas Emendadas – GO (Barbieri et. al, 2000). Nesse lago é possível observar a presença de uma fina camada de areia, o que indica o tal ressecamento, já que em lagos, a deposição é de argila e silte.

 

Publicações:

  • Mudanças paleoambientais na região dos Cerrados do Planalto Central durante o Quaternário Tardio – o estudo da Lagoa Bonita

    • “A presente pesquisa versa sobre a evolução paeloambiental, principlamente paleoclimática, no decorrer do Pleistoceno tardio – Holoceno, de uma área atualmente recoberta por cerrados, localizada no Planalto Central Brasileiro, a nordeste do Distrito Federal. As interpretações paleoecológicas foram baseadas nas análises palinológica e mineralógica do sedimento contido em um testemunho de sondagem obtido na seqüência estratigráfica depositada na Lagoa Bonita, DF.”

    • Barberi__Doutorado

 

O paleoclima está intimamente relacionado ao paleoambiente, uma vez que o clima é uma característica de um ambiente. Como foi dito no tópico anterior, é possível saber qual era o ambiente que existia no local há alguns milhares ou milhões de anos. Mas e sobre o clima, como é possível saber qual era o clima de alguns milhares ou milhões de anos? Assim como hoje, cada bioma tem seus respectivos tipos de plantas que se adaptam ao clima local. Então a melhor maneira de se determinar um paleoclima, é observar e analisar o registro fóssil de plantas. Isso envolve desde analisar a própria planta em si como também estudar os grãos de pólen e esporos fossilizados (área conhecida como palinologia). Esses registros fósseis dizem muito sobre o clima de determinada região. 

No Cerrado é possível observar algumas mudanças ao longo de alguns milhares de anos. Um estudo feito sobre a época denominada de pleistoceno – entre 2,58 milhões e 10 mil anos – mostra que o clima do Cerrado variou bastante. Em Cromínia (GO), entre 32.390 e 28.300 anos atrás ocorreu uma diminuição de grãos de pólen arbóreos, incluindo Mauritia (gênero de flora onde o principal representante é o Buriti), porque não houve umidade suficiente para o estabelecimento de uma vegetação arbórea. O predomínio de ervas, principalmente Poaceae e Cyperaceae, e a presença de algas indicaram que o pântano estava circundado por vegetação de campo. As condições climáticas durante este intervalo de tempo foram mais úmidas e frias do que as atuais, provavelmente semelhantes às encontradas atualmente nas montanhas do Brasil Central (Ferraz-Vicentini & Salgado-Labouriau, 1996; Salgado-Labouriau et al., 1998).

 

Para saber mais sobre o paleoclima e o paleoambiente do cerrado:

Meyer, Karin & Cassino, Raquel & Lima Lorente, Flávio & Raczka, Marco & Parizzi, Maria. (2014). Paleoclima e paleoambiente do Cerrado durante o Quaternário com base em análises palinológicas. 

 

 

 

Alternar conteúdo