Lucely Pio, raizeira, especialista nas plantas medicinais do Cerrado, capacitadora da Pastoral da Criança de Jataí, integrante da Comunidade Quilombola do Cedro em Mineiros (GO) e da Articulação Pacari de Plantas Medicinais do Cerrado e autora da Farmacopéia do Cerrado.

“Eu sou Lucely, da comunidade quilombola do Cedro, município de Mineiros do Goiás. Essa comunidade foi fundada em 1830 pelo meu tataravô, Francisco Antônio de Morais, e sua esposa Ana. Quando eles chegaram não existia nada, e chamavam lá de Sertão do Goiás. Depois de um tempo, começaram a chegar coronéis e garimpar. Foi aí que os primeiros habitantes foram chegando e foi se formando a cidade de Mineiros. O nome de Mineiros se deu porque eles foram de Minas para lá, então ficou de homenagem a eles”. 

“Minha avó dizia que as plantas se revelam para nós”, conta Lucely, que desde criança seguia a avó pelo campo para estudar os potenciais terapêuticos das plantas que rodeiam a comunidade Quilombola do Cedro, em Mineiros, no sudoeste de Goiás. Hoje, ela é capaz de reconhecer quase todas as plantas do Cerrado e descrever seus benefícios para a saúde do corpo humano. Lucely conta que aprendeu com a avó que as plantas possuem a forma da parte do corpo que curam. E, assim, foram descobertos medicamentos para o coração, para o rim, para dor de cabeça, da coluna, etc.

O laboratório criado em 1997 na comunidade já possui 450 plantas medicinais catalogadas e mais de 90 fórmulas medicinais. Esses fitoterápicos são vendidos na comunidade e, em parceria com a Pastoral da Criança e o município de Mineiros, são distribuídos as famílias da cidade.

Segundo a mestra, é preciso estar sempre aberto para o sentimento das plantas. Nos dias atuais, as pessoas têm devotado muito pouco ou nada a esta tarefa essencial que consiste em fazer-se parte da natureza. Por este motivo, muitos distúrbios físicos e emocionais têm afligido a humanidade. Uma prova disso é a dominação dos tratamentos alopáticos, que quase sempre agem apenas como paliativo para um distúrbio muito maior que é o afastamento da vida espiritual. A espiritualidade é esta integração do indivíduo com o meio ambiente, o entendimento de que fazemos parte de um todo, ao lado das plantas e dos animais. 

Livro: Farmacopéia Popular do Cerrado. Coordenação: Jaqueline Evangelista Dias e Lourdes Cardozo Laureano. Goiás: Articulação Pacari (Associação Pacari), 2009.

http://www.mma.gov.br/estruturas/sbf_agrobio/_publicacao/89_publicacao01082011054912.pdf

Entrevista com Lucely Pio na Rede Cerrado: