Santuário Ecológico Olho d'Água, Sitio das Neves

sitio das neves

O Sítio das Neves, 70 hectares, está em processo de regeneração desde 1974. Manteve algumas atividades em pequena escala na área de produção de proteínas animais por curto período e para consumo familiar. Para estas atividades foi utilizada uma área de cinco hectares até 1984. Diante das sucessivas queimadas como é costume na região, agravadas pela irregularidade das chuvas, as nascentes sofreram quase colapso total. Uma campanha contra as queimadas e os hábitos ainda existentes de caçadores noturnos, e a retirada de todos os animais de pastoreio da área, se pôde planejar e executar um sistema de barramentos em todas as grotas de escoamento de águas pluviais no sentido de captar e reter as águas ao longo do período chuvoso. Uma centena e meia de pequenas barragens com material local – pedras e madeiras secas – em poucos anos transformaram o cerrado em um refúgio de pássaros e animais que perderam seu habitat.

A finalidade do pousio de três décadas contínuas é dar tempo à regeneração de uma área ampliada durante mais de 300 anos. O retorno das águas foi visível e constante. As nascentes se recuperaram e as matas cresceram em volta dos córregos e das barragens de captação.

 

As ações acima resumidas não têm época para serem interrompidas. O processo de regeneração é lentíssimo. A biodiversidade se expande produzindo sólida cadeia alimentar. Novas espécies de árvores e flores, cujas sementes estavam adormecidas, aparecem trazendo uma variedade incontável de insetos, pássaros, e animais que buscam refúgio no silêncio da mata. Tucanos, Jacus, Curicacas, Pombas de Bando, Macaco-prego, Saguís, Quati, e anfíbios, entre dezenas de outros.

O desenvolvimento do cerrado é autônomo e lento, por isso é necessário deixá-lo em paz para cumprir as leis da natureza que dirigem o bioma e os ecossistemas.

 

O Sítio das Neves abriu oportunidades de pesquisa para universitários e seus professores em pesquisa e observação de aves, borboletas e espécies medicinais. Orientamos outros ambientalistas, como o grupo da Cachoeirinha, em Goiás, sobre a construção de barragens de contenção e detenção de águas pluviais.

 

Eugênio Giovenardi

Abaixo algumas obras baseadas na experiência vivida no Cerrado. A bibliografia pode ser solicitada pelo tel: 61-9.99.81.28.07(WP) email:eugeniogiovenardi@gmail.com

ENSAIOS:
ECOLOGIA – Nova forma de prosperidade – 2014
OS POBRES DO CAMPO, , 2003
O RETORNO DAS ÁGUAS, NASCENTES, 2005, Bilingue – Segunda edição, 2015
ANARQUISMO LITERÁRIO, 2014, KIRON
UMA OBRA EM VERDE – Kiron – 2016
ECOSSOCIOLOGIA, – Kiron – 2016
REENCONTRO – O que aprendi da natureza – Kelps, 2017
ALDEBARÃ E EU, Kelps, 2018
A VELHICE DO TEMPO – O TEMPO DA VELHICE, Ensaio sobre a velhice.
janeiro, 2020, KELPS.

BRASÍLIA, A TERRA PROMETIDA – Discurso de posse na Academia do
Instituto Histórico e Geográfico – Distrito Federal – Cadeira 94 – Gilberto Freire
DYONÉLIO MACHADO, Discurso de posse na ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL,
Cadeira XIX, 2019

VISITE MEU BLOG — UMA OPINIÃO DIFERENTE
http://www.eugeobservador.blogspot.com
FACEBOOK – Eugenio Giovenardi

tel: 61-9.99.81.28.07(WP) email:eugeniogiovenardi@gmail.com