Cachorro-do-mato

Nomes comuns: Cachorro-do-mato, mata-virgem, raposa, lobinho, graxaim, graxaim-do-mato, lobete, rabofofo, guancito, fusquinho.

 

Nome em inglês: Crab-eating fox, crab-eating zorro, common zorro, savannah zorro.

 

Ameaças e conservação: Retaliação/prevenção à predação de animais domésticos (frequentemente é vítima de envenenamento e tiros), confrontos com cachorros domésticos, doenças adquiridas de animais domésticos (sarna sarcóptica, cinomose, raiva, parvovirus, Leishmania spp. e Leptospira interrogans), atropelamentos. Na caatinga, sua gordura é considerada, pelo conhecimento tradicional, útil no tratamento de prolapso uterino de animais de criação, o que representa mais uma razão de mortalidade da espécie. Não há ações de conservação específicas. Ações necessárias incluem: 1) Medidas de prevenção de atropelamentos ao longo de toda a malha viária asfaltada nacional (lombadas, valetas, passagens de fauna, lombadas eletrônicas, radares, placas sinalizadoras e aumento da fiscalização); 2) Estudos e campanhas preventivas contra o efeito de doenças adquiridas de animais domésticos; 3) Ações de fiscalização, prevenção e educação que reduzam sua mortalidade em função de conflitos com animais domésticos e retaliação à predação de criações domésticas. A espécie não foi incluída na lista oficial de espécies ameaçadas do MMA (Ministério do Meio Ambiente, 2014).

 

Comprimento total: 97 cm (média).

 

Peso: 6,5 Kg (média).

 

Dieta: São onívoros e oportunistas. Alimentam-se de frutos, insetos, crustáceos, pequenos mamíferos, aves, répteis, anfíbios e ovos de diversas espécies; podem atuar como dispersores de sementes, tanto de frutas nativas como cultivadas e alimentar-se de carcaças de animais domésticos, como bovinos e espécie silvestres, como o tamanduá-bandeira e o gato-mourisco.

 

Número de filhotes: 3 a 6.

 

Gestação: 52 a 59 dias.

 

Longevidade: 12,7 anos (cativeiro).

 

Estrutura social: São monogâmicos, vivendo em casais ou grupos familiares estendidos.

 

Padrão de atividade: Predominantemente crepuscular e noturno.

 

Distribuição geográfica: Norte da Colômbia, Venezuela, na maior parte do Brasil com exceção de parte da Amazônia, em todo o Paraguai, no norte da Argentina, em todo o Uruguai, e na Bolívia nas encostas a leste dos Andes com poucos registros no Suriname e na Guiana. Recentemente a espécie foi registrada pela primeira vez no Panamá.

 

Habitat: É generalista e flexível. Prefere bordas e ambientes mais abertos a matas densas. Utiliza florestas ombrófilas, decíduas e semidecíduas, florestas de galeria, várzeas, encraves de áreas abertas na Amazônia, florestas de altitude até 3.000 m e restinga, ocorrendo nos biomas Cerrado, Caatinga, Mata Atlântica, Pampas, Pantanal e na Floresta Amazônica Oriental. Tolera perturbações antrópicas, como canaviais, plantações de eucaliptos, cultivos de frutas, pastagens, hábitats em regeneração e paisagens suburbanas.

 

Descrição física: Canídeo brasileiro mais conhecido, de coloração marrom acinzentado com tons amarelados, metade das pernas pretas. Cauda média, com pelos longos e coloração preta. As orelhas são curtas e avermelhadas.

 

Fonte: Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros – CENAP/ICMBio, Disponível em: https://www.icmbio.gov.br/cenap/carnivoros-brasileiros.html Acesso em: 01.setembro.2021

);