Rede Passitec

Estruturada em 2008, a Rede Passitec reúne cerca de 30 instituições de pesquisa públicas e privadas, além de associações de produtores rurais, órgãos de extensão rural e instituições regionais. Tem como objetivos desenvolver tecnologias para o uso funcional das espécies de Passifloras (Passiflora spp.) silvestres, gerar informações e aumentar o conhecimento sobre os usos para fortalecimento da cadeia de valor. 

As linhas de pesquisa estão focadas em informações biológicas, sistemas de produção, novos ingredientes e produtos, além de estudos funcionais e medicinais. Os trabalhos buscam gerar conhecimentos que permitam a estruturação dos elos produtivos para que os frutos e produtos possam ser inseridos nos mercados nacionais e internacionais.

O desenvolvimento tecnológico é realizado de modo a conservar e valorizar o conhecimento popular de uso das variedades silvestres de maracujás, que na região do Cerrado são usadas pelas comunidades locais para alimentação e pelas propriedades medicinais. Um dos exemplos é o do maracujá silvestre Passiflora setacea Decandole, conhecido como “maracujá do sono”, em virtude das propriedades benéficas atribuídas pelo uso tradicional. Os trabalhos da Rede Passitec em conjunto com os da Rede de Melhoramento Genético do Maracujazeiro da Embrapa Cerrados resultaram no lançamento da primeira variedade da espécie a P. setacea (maracujá BRS Pérola do Cerrado), com quádrupla aptidão (consumo in natura, industrial, ornamental e funcional).

O maracujá está se tornando uma alternativa rentável para os produtores, principalmente os pequenos agricultores, e a Rede Passitec tem apoiado as organizações dos produtores para que consigam comercializar os produtos. A polpa, a casca e em alguns casos as sementes e folhas são utilizadas para a produção de ingredientes enriquecidos em fibras, antioxidantes naturais, extratos enriquecidos em bioativos e outros produtos intermediários de uma gama de alimentos, medicamentos e cosméticos.

A experiência brasileira do uso funcional do maracujá, da Rede Passitec, coordenada pela Embrapa Cerrados, está entre os 26 estudos de caso analisados pelo relatório “Towards Sustainable Bioeconomy: lessons learned from case studies”, elaborado pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). O documento apresenta casos de sucesso com intervenções sustentáveis nos diferentes setores da bioeconomia em 20 países da África, das Américas, da Ásia e da Europa.

Maracujá (Pérola do Cerrado): benefícios e estudos comprobatórios

A pesquisadora Ana Maria Costa, da Embrapa Cerrados, e a pesquisadora colaboradora Isabella Duarte, da Rede Passitec, falam sobre pesquisas realizadas com o maracujá Pérola do Cerrado e seus benefícios para a saúde. Tratam também da digestão de alimentos de forma geral.

https://www.youtube.com/watch?v=n8oLVPqxi80


);