Guarani-Mbyá

Origem do fogo: 

 

Depois de a primeira terra ter sido destruída por um dilúvio, enviado para castigar uma união incestuosa, os deuses criaram uma segunda terra e para ela enviaram seu filho Ñanderu Papa Miri. Este fez surgirem novos homens, e tratou de lhes dar o fogo, que apenas os feiticeiros-urubus possuíam.  

 

Ñanderu explicou ao filho, o sapo, que se fingira de morto, e que este deveria pegar as brasas assim que ele, retomando os sentidos, as tivesse espalhado.  

 

Os feiticeiros se aproximam do cadáver e consideram-no apropriado para comer. Com o pretexto de ressuscitá-lo, acendem uma fogueira. O herói se mexe e se finge de morto, alternadamente, até que os feiticeiros tenham acumulado uma boa quantidade de brasa. O herói e o filho pegam as brasas e depositam-nas em dois pedaços de madeira que servirão, a partir de então, para produzir fogo por giração. Como punição por seu comportamento antropófago, os feiticeiros serão urubus comedores de carniça, “que não respeitarão a coisa grande” (o cadáver) e que nunca alcançarão a vida perfeita. 

 

Fonte:

GRAZIELLE, P. NO HORIZONTE HÁ UMA COSMOPOLÍTICA INDÍGENA DIANTE DO ANTROPOCENO OU DO CAPITALOCENO? Iluminuras, Porto Alegre, v. 21, n. 53, agosto, 2020. p. 446-447. 

);