Dona Severina Gonçalves

Aos 82 anos, Severina Gonçalves,  artesã e artista visual, potiguar da cidade de Riacho de Santana e radicada em Planaltina desde 1985, é casada com Francisco Batalha, teve 9 filhos, duas mulheres e sete homens, e cinco netos. Sua primeira venda, fruto de seu trabalho, ocorreu ainda criança, aos 10 anos de idade. Ela descobriu sua arte aos cinco anos, de forma lúdica, transformando a cera da abelha Jandaíra, semelhante à massa de modelar infantil, em pequenos bichinhos, passarinhos e flores, que transmitem sua admiração pela natureza. Hoje, aos 83 anos, a artista já possui mais de mil peças produzidas, entre esculturas, bordados, costuras e crochês, elaborados por meio de processos criativos únicos, utilizando como matéria-prima determinante o que seria descartado e viraria lixo. Totalmente advindas do descarte, que aliás se torna irreconhecível, suas peças dão vida a toneladas de fios, plásticos, vidros, metais, sacos de batata, cordas de persianas, arames, embalagens e fibras, fazendo nascer de suas mãos flores, leões, pavões, pássaros grandes e pequeninos, que concebem sua arte.

 

“Transformo o que os outros chamam de lixo em esculturas, flores e artesanato, com diferentes formas, desenvolvidas por mim, nunca frequentei uma escola de Belas Artes, meu estilo é próprio: Arte Severina” . Essa é a definição que a artista, que cursou a escola até a 4ª série do ensino fundamental, dá para seu trabalho artesanal, captando da flora e fauna do Cerrado, a inspiração para criar esculturas ricas em detalhes, mistura de cores, texturas e significados. A comercialização de seu trabalho, em feiras e ruas, permitiu enfrentar as dificuldades financeiras, contribuindo para a criação de seus 09 filhos, na cidade de Planaltina, região periférica de Brasília.

A primeira exposição artística de Severina aconteceu em 2017, no Museu Histórico e Artístico de Planaltina – DF, aos 77 anos. Em janeiro de 2021, integrou o projeto “O Brasil não conhece o Brasil” na galeria De Curators com a vitrine intitulada ”Ninhos”, numa parceria com a Galeria Pé Vermelho. No mesmo ano, foi uma das artistas visuais convidadas a integrar a Segunda Cultural do Espaço Cultural T-Bone, com a exposição “Passeio na Savana”, exibida totalmente on-line no canal do espaço. 

Entre 09 de dezembro de 2021 a 09 de janeiro de 2022 fez a Exposição: “Cerrado” na Galeria do Complexo Cultural de Planaltina, DF. A realização da exposição simboliza uma forma de reconhecimento e valorização de sua trajetória de mais de 70 anos de criação, ultrapassando o conceito de sua produção artística, comumente entendida como artesanato, para o ambiente das galerias de artes.

A curadoria da exposição é realizada por Jordny Bor, arquiteto e artista visual, neto de Dona Severina, e Ana Mago, professora, poetisa e filha da artista. Cerrado tem a pretensão de despertar no público um olhar especial para o trabalho da artista plástica, abrindo caminho para a percepção de características singulares e detalhadas e o encantamento pela delicadeza impressa em cada peça.

Na lista constam ainda, escolas, universidades, feiras e praças como parte do circuito de exposição de seus trabalhos.

 

 

Conheça a obra de Dona Severina: https://www.flickr.com/photos/142414725@N02/albums/72157720178741622

email: severinagoncalvesarte@gmail.com

 

tel: 61 98594-1805

);