Angel Lima

Angel Lima - perfill

Mulher, jornalista, artista; vive e trabalha em Palmas-TO-Brasil. Seu trabalho fotográfico, ora experimental, ora documental, é um registro da natureza, da cultura popular. Sua poética tem como foco africanidades, as relações de gênero, reflexões sobre a essência humana e sua expressão no mundo.

Especialista em Documentação Audiovisual pela Universidade Federal do Tocantins (UFT); Especialista em Ensino de Comunicação/Jornalismo: Temas Contemporâneos (UFT); Jornalista graduada (UFT);.

Atua na Comunicação desde 2004. Já foi repórter e editora de cultura e variedades dos principais jornais do Tocantins; colaboradora em diversos veículos regionais e nacionais.
Atualmente é repórter fotográfico em assessoria de comunicação e desenvolve pesquisas e trabalhos autorais em fotografia.

Sou nascida no interior de Goiás, mais precisamente Anápolis. Vivi com meus pais no município de Petrolina de Goiás, até meus oito anos de idade. Nessa cidade, a minha rotina e, de tantas outras crianças, era andar pelas ruas catando sementes nas praças que tinham como principal arborização as favas de bolota, os pequizeiros e os “mijo de macaco”. A gente catava sementes, flores e subia muito nessas árvores. (Ah como era bom subir nas árvores…ainda hoje é! Sempre que tenho oportunidade, trepo numa árvore….kkkk). 

Sempre fui encantada pela força e mistérios do cerrado; a vegetação rústica, com ares de poucos amigos; troncos retorcidos, cascas de árvores robustas, arbustos disformes e a delicadeza dos ipês floridos…uma belezura! Quando a gente pensava que as árvores tinham morrido por não terem mais nenhuma folha, vinha a chuva e mostrava que a vida estava apenas esperando o “momento certo” de retomar seu viço. 
Com o cerrado aprendi que de onde menos se espera vem a exuberância e novas oportunidades de se reviver, se reinventar, renascer, ressignificar… 

Hoje vejo cada árvore ressequida ou, literalmente, queimada, como sobrevivente; verdadeira Phoenix, nos dando testemunho de que a vida é, sim, um rasgar-se e remendar-se constante.
Cerrado é vida-morte-vida! 


EXPOSIÇÕES COLETIVAS


2019
: 4º Salão Palmenses de Novos Artistas / Galeria Municipal de Arte – Espaço Cultural José Gomes Sobrinho, Palmas-TO;


2019: Afrobrasilidades no TO: Narrativas, memórias e resistências – Espaço Arte ao Cubo, Centro de Atividades do Sesc, Palmas-TO;


2018: Transmudação / Galeria de Artes do Sesc, Palmas-TO;


2018: Transmudação / Galeria de Artes do Sesc, Palmas-TO;


2007: Tocantins Postal / Espaço Cultural José Gomes Sobrinho, Palmas-TO;


2005: Imagens do Tocantins – Ano do Brasil na França, Paris/França.


PRÊMIOS


2018: 3º Prêmio Ministério Público de Jornalismo / 3ª colocada, categoria webjornalismo, Palmas-TO;

 

2016: II Concurso Cultural “Minha Foto Um Postal” / 1ª colocada, categoria “Profissional – pontos turísticos”, Palmas-TO;


2009: 3º Prêmio Sebrae de Jornalismo Empreendedor / 2ª colocada, categoria Impresso, Palmas-TO;


2007: 2º Prêmio Sebrae de Jornalismo Empreendedor / 1ª, categoria Impresso, Palmas-TO;


2000: Concurso de Poesia – I Encontro de Professores de Língua Portuguesa do TO – 1º lugar, Palmas/TO

Email: angel.lima.fotoarte@gmail.com

Telefone: (63) 99216-9825 

Instagram: @angel_lima_fotoarte

Conheça um pouco mais da arte de Angel Lima

Série Cerrado Psicodélico

A capacidade e o poder de transformação do cerrado provocam reflexões quanto a força interior de cada ser humano e a sua própria capacidade de reinvenção, desconstrução e reconstrução. Desta maneira, retratos de paisagens ressequidas do cerrado tocantinense são captadas e ressignificadas digitalmente com cores pulsantes. A intenção é experimentar novos tons, recortes e olhares sobre a natureza, traçando um paralelo entre o ciclo de vida-morte-vida do cerrado com o ciclo de vida-morte-vida do ser humano, dando ênfase a este processo por meio de cores extravagantes. A série Cerrado Psicodélico acabou se tornando uma exposição fotográfica intitulada Cerrado Encantado, lançada em 2021 com recursos da Lei Aldir Blanc, por meio de editais executados pela então Agência de Desenvolvimento do Turismo, Cultura e Economia Criativa – ADETUC, com apoio do Governo Federal – Ministério do Turismo – Secretaria Especial da Cultura, Fundo Nacional da Cultura. A mostra pode ser conferida no site da artista www.angellimafotoarte.com