Também conhecida como súcia ou suça, a sússia é dançada no folclore de cidades como Paranã, Santa Rosa do Tocantins, Monte do Carmo, Natividade, Conceição do Tocantins, Peixe, Tocantinópolis. A dança, provavelmente de origem escravagista, é caracterizada por músicas agitadas ao som de tambores e cuícas. Uma espécie de bailado em que homens e mulheres dançam em círculos.

A sússia na Folia do Divino em Monte do Carmo é dançada ao som da viola, do pandeiro e da caixa. Também é dançada ao som do tambor em outras manifestações populares, como em Natividade.

Um dos princípios da dança da sússia era o não tocar nas pessoas, principalmente do sexo oposto. Essa dança geralmente acontecia em momentos religiosos em volta de fogueiras, isso já evitaria o contato muito próximo entre os dançarinos.

A Jiquitaia é uma dança proveniente dos escravos, cuja historia tem raízes em Almas, formando parte precisa da identidade cultural de seu povo. Um misto de festa do Divino Espírito Santo, sussia e ritmo de tambores com cantorias bem entoadas, a dança faz simulações de toques às vezes íntimos ou simulações de uma operação “mata insetos” pelo corpo. A jiquitaia nasceu dentro das senzalas, no momento que os escravos iam dormir, deixando fragmentos de comidas dentro dos aposentos e às vezes eram atacados por uma formiguinha vermelha que tem uma picada muito dolorida e que atacavam em grupo, que são as formigas jiquitaia. Às vezes muitos cansados tentavam se livrar dos ataques das formigas, e isso virava um tipo de brincadeira para o dia seguinte, e quando estavam tocando atabaques nos finais de semana, perceberam que aquilo “dava samba”. Então os escravos começavam as danças e simulações as reações dos ataques das formigas, daí começou a Jiquitaia como dança. Contudo ela é um segmento da Sússia, ou seja, danças que não há toques, mas si simulações. A jiquitaia assim como a Sússia, são danças típicas de Almas e do Sudeste do Tocantins.

A Catira é uma dança proveniente do Centro–Oeste, e também ficou conhecida como Cateretê. Na era colonial foi bastante utilizada como agradecimento ao santo de devoção da boa colheita. Muitos estudiosos garantem que essa dança foi muito incentivada  pelo Padre José Anchieta, entre os anos de 1530 e 1597. A atração era incluída nas festas de São Gonçalo, São João e Nossa Senhora da Conceição, o que ocasionava uma  melhor interação entre os  portugueses e os indígenas. Teria Anchieta composto versos em seu ritmo e considerada própria para tais festejos, já que era dançada apenas por homens. A Catira é praticada largamente pelos interiores do Brasil, destacando-se os Estados de Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Tocantins e principalmente, o Estado de Goiás.Está sempre presente nas Folias de Reis, nas Festas do Divino, bem como em outras ocasiões onde é requisitada (MAIA, 2005). Essa dança se desenvolve por meio de um ritmo de sapateado brasileiro semelhante a um ‘bate-pé’ ao som de palmas e violas. Pode ser exercitado somente por um grupo de homens ou tambémpor um grupo de mulheres (TEIXEIRA, 2010; MAIA, 2005).

Os catireiros, como conhecidos, usam sempre camisa, calça jeans e botas.  Como acessórios complementares estão o lenço e o chapéu de aba larga, lembrando os boiadeiros da época. Estudiosos garantem que em muitos locais do país a dança era ritmada com os pés descalços, sempre buscando ”pisar nas cordas da viola”, termo utilizado para designar sua sincronia junto a batida do violeiro.

Por ser uma dança popular, a Catira não tem técnicas específicas, sendo passada de pai para filho ou através da comunidade. É a técnica constante de observação e repetição que sucede em uma bela apresentação ritmada e sincrônica. A coreografia dessa dança não tem tantas variações de acordo com os Estados, garantindo a permanência das antigas culturas para a atualidade. Hoje, ela é o retrato dos costumes sertanejos no país, a dança que é a poesia do sertão.

A Catira é dançada em círculo formando pares que dançam ao som das mãos e dos pés, num sapateado compassado. É comum entre os grupos que fazem parte dos giros das folias de reis e do Divino Espírito Santo. Os Catireiros são músicos repentistas que cantam seus poemas ao som do pandeiro, da caixa e da viola.

A catira é um dança chamativa por exigir vigor e sincronicidade dos dançarinos.  A concentração e disciplina são alguns dos requisitos que os participantes precisam ter na hora da apresentação. Além dos dez integrantes, é necessária uma dupla de violeiros para dar ritmo e andamento à dança. Duas fileiras são colocadas uma oposta a outra, como se fossem pares. Para começar a dança, o violeiro precisa puxar o rasqueado com uma moda de viola, assim inicia-se o ritmar dos pés e mãos, chamado ”escova”. Prossegue a música com um estilo narrativo, sem tema específico, podendo falar sobre a vida ou algum problema da região. É necessário uma pausa entre a cantoria para puxar novamente o rasqueado e assim iniciar, novamente, o sapateado e o bater das mãos. A dança só acaba ao final do “recortado”, que é o momento em que os dançarinos vão trocando de lugar a cada estrofe da moda de viola. Ela só finaliza no momento em que todos os participantes voltam para seu posto inicial.

Sinvaline · Uruaçu, GO

Dentre as manifestações folclóricas existentes em Goiás, está a dança chimite, pouco conhecida no Brasil. Chimite foi o nome que decidi adotar, bem brasileiro mesmo como é a dança, nada de estrangeirismos como diz Suassuna. Como não existe bibliografia a respeito, fui conversando com as pessoas mais velhas e coletando informações sobre o chimite. Ninguém tem um depoimento firme sobre essa manifestação, só sabem que aprenderam com os pais, os avós e nunca se interessaram em saber de onde surgiu.

Até parece piada, mas o Seu Gabriel (87 anos de idade) me contou que um general inglês ou alemão, ele não sabe ao certo, inventou a dança nos acampamentos dos soldados durante a II Guerra Mundial:
Assim ele conta:

 Inquanto os sordados dançava o forró, o general ficava brincano cum o revorve marca Shimith, e o movimento do tambor do revorver pra la e pra cá fez com que inventasse os pulinhos do chimite.

Outro depoimento do Seu Joaquim também não deixa muito claro a origem da dança:

 Ah minina esse chimite nois dança desde piqueno… Nois aprendeu cum nosso pai que era baiano, ele dizia que na Bahia prus lado de Xique-Xique o povo sempre dançou o chimite.

Segundo pesquisa da professora Andréa Luiza Teixeira e do professor Altair Sales Barbosa da Universidade Católica de Goiás, esse ritmo é bem popular no interior da Bahia e em todo o Nordeste brasileiro.

Segundo eles, o chimite é uma dança contemporânea do “for all”, ou forró, na época da Segunda Guerra. Ela teria sido inventada no Rio Grande do Norte por um general de nome Schimidt e foi instituída para a diversão dos soldados nos anos 40, na base militar

De acordo com estes pesquisadores, este ritmo se popularizou no nordeste e ganhou várias formas se juntando aos ritmos locais levando o nome de Schmidt em homenagem ao seu criador o general Schmidt.. Dependendo da região a dança sofre algumas mudanças. Na Bahia é uma dança solta, já em Goiás é dançada por pares. O chimite é uma seqüência de pulos para frente e para trás, marcados entre o forró, ao som da sanfona. É um ritmo ágil de passos ordenados que requer grande agilidade dos dançarinos.

Em Goiás, na cidade de Uruaçu, o Grupo de Folclore Serra da Mesa sob minha coordenação, tenta preservar a dança do chimite, divulgando-a em eventos festivos, inclusive com participação das escolas e universidades, no sentido de pesquisar mais sobre essa manifestação. Esse grupo é composto por pessoas na faixa etária de 15 a 90 anos de idade, e já algumas escolas estão formando grupos com crianças, que aprendem rapidamente os passos.

O chimite é dançado sob o ritmo de sanfona, aqui em Uruaçu é com uma tradicional pé-de-bode executada pelo sanfoneiro Vivi, que preserva essa sanfona há 53 anos e segundo ele, quando a adquiriu já era bem velha.

O chimite tem feito muito sucesso em todos os lugares onde foi apresentado. É um ritmo contagiante, assim que começa o toque, todos começam a dançar.

Fonte: http://www.overmundo.com.br/overblog/chimite