Design permacultural

Não se trata de uma receita, mas de uma metodologia que nos permite observar a realidade de forma a extrair informações valiosas, entender quais são os objetivos da nossa ocupação, optar por diferentes tecnologias possíveis e pensar tudo isso de forma integrada e holística, aplicando fundamentos da Permacultura na busca de um planejamento energético eficiente e criação de sistemas ecológicos abundantes. Mas antes de entender como funciona essa metodologia, precisamos entender a definição de alguns conceitos básicos. Afinal, o que seria design permacultural? 

“Um sistema que unifica componentes (…) em um padrão que funciona para beneficiar a vida, em todas as formas. É feito para promover a sustentabilidade e um lugar seguro para a vida, em todo o planeta”. Bill Mollison, 1988.  

 

  Trata-se do planejamento das múltiplas relações existentes entre todas as partes de um sistema. Essas relações são dinâmicas, interagem entre si. As partes desse sistema são os elementos e estão em constante evolução. O design permacultural é um planejamento ideal de uma área, seja em grande ou em pequena escala, para que esta possa atingir sua sustentabilidade, isto é, ser autossuficiente em todas as suas demandas, reduzindo ao máximo a necessidade de qualquer tipo de energia externa no sistema. Além disso, o design integra não só componentes locais e físicos, mas também os componentes energéticos, abstratos e sociais, como definidos no box ao lado. Dependendo de como observamos, podemos olhar para um sistema  como um elemento de um sistema ainda maior, assim como podemos olhar para elementos e observar que, em uma escala menor, eles são sistemas, compostos por elementos ainda menores. Por exemplo, uma célula pode ser considerada um sistema. Suas organelas são os elementos. Por outro lado, uma célula pode também ser um elemento de um sistema maior, formando tecidos e órgãos de um organismo inteiro! 

 

Fonte: IPOEMA. Introdução à Permacultura. Brasília, 2016.    

);