Jabiru mycteria (Lichtenstein, 1819)

Vocalização

Nome(s) popular(es)

Tuiuiú, Jaburu, Jaburru, Tuim de Papo Vermelho (MT e MS), Cauauá (AM), Jabiru (região Sul).

História Natural

Ave grande associada a ambientes aquáticos, é encontrado de forma abundante em corpos de água doce, como brejos, pântanos, rios e lagos, principalmente com árvores esparsas pelas margens ou por áreas abertas. É típico do Pantanal, Cerrado, Chacos Bolivianos e Llanos Venezuelanos. No Cerrado, pode ser visto em áreas alagadas como veredas, campos úmidos e outros tipos de corpos d’água. Se alimenta agitando a água rasa com o bico para assustar suas presas e poder capturá-las, comendo uma grande variedade de animais aquáticos, como peixes, sapos, cobras, filhotes de jacarés e tartarugas, moluscos e insetos. Se aproveita dos baixos níveis da água na estação da seca, quando as presas estão mais concentradas, para caçar em grupos, podendo agir de forma colaborativa para cercar os peixes. Pode ser predado pela Onça, e seus filhotes possivelmente por gaviões como o Carcará, Gavião do Banhado e o Gavião Velho. Se reproduz em grandes ninhos feitos com gravetos e forrados com capim e plantas aquáticas, no alto de árvores grandes e por vezes próximo a outros ninhos. Utiliza o mesmo ninho todo ano, onde põe 4 ovos, e a cada estação reprodutiva vai reforçando-o e adicionando material, de forma que o ninho vai crescendo, podendo atingir até 2 m de diâmetro e servindo de apoio para outras aves menores que podem construir seus ninhos em sua base.

Descrição

Mede cerca de 1,4 m de comprimento e 1,6 m de altura. Com pernas, pescoço e bico compridos e pretos, e cabeça também preta, a plumagem do corpo é totalmente branca. A cabeça e o pescoço não possuem penas. Na base do pescoço há uma faixa vermelha e um papo inchado bem característicos.

Distribuição

Sua distribuição é ampla e dispersa pela América do Sul e partes da Central, ocorrendo em algumas regiões no extremo sul do México, Guatemala, Belize, Nicarágua e Costa Rica, na Colômbia, Venezuela, Guianas e Suriname, leste do Equador e Peru, Bolívia, Paraguai e nordeste da Argentina. No Brasil está presente em SP, MG e RJ, e em todos os estados do Centro-Oeste e do Norte, sendo porém mais escasso neste último e no Sul e Nordeste.

Conservação

Pouco preocupante: não é considerado ameaçado (ICMBio e IUCN).

Referências

BirdLife International 2016. Jabiru mycteria. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22697710A93632239. http://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22697710A93632239.en. Downloaded on 13 November 2019.


Cavalcanti, S. M., & Gese, E. M. (2010). Kill rates and predation patterns of jaguars (Panthera onca) in the southern Pantanal, Brazil. Journal of Mammalogy, 91(3), 722-736.


Clements, J. F. (2012). The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press.


Elliott, A., Garcia, E.F.J., Kirwan, G.M. & Boesman, P. (2019). Jabiru (Jabiru mycteria). In: del Hoyo, J., Elliott, A., Sargatal, J., Christie, D.A. & de Juana, E. (eds.). Handbook of the Birds of the World Alive. Lynx Edicions, Barcelona. (retrieved from https://www.hbw.com/node/52748 on 13 November 2019).


Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Argel, M., & Tudor, G. (2010). Guia Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Horizonte.


Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília: ICMBio. 4162 p.


Jabiru (Jabiru mycteria), In Neotropical Birds Online (T. S. Schulenberg, Editor). Cornell Lab of Ornithology, Ithaca, NY, USA. retrieved from Neotropical Birds Online: https://neotropical.birds.cornell.edu/Species-Account/nb/species/jabiru


Kahl, M. P. (1971). Observations on the jabiru and maguari storks in Argentina, 1969. The Condor, 73(2), 220-229.


Salera Junior, G., Malvasio, A., & Portelinha, T. C. G. (2009). Avaliação da predação de Podocnemis expansa e Podocnemis unifilis (Testudines, Podocnemididae) no rio Javaés, Tocantins. Acta Amazonica, 39(1), 207-213.


Sick, H. (1997). Ornitologıa brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.


Silva, J. M. C. da (1995). Birds of the cerrado region, South America. Steenstrupia, 21(1), 69-92.


Wikiaves. (2018). Tuiuiú. Recuperado em 13 de novembro, 2019, de https://www.wikiaves.com.br/wiki/tuiuiu

);