Butorides striata (Linnaeus, 1758)

Vocalização

Nome(s) popular(es)

Socozinho, Socó Estudante, Socoí, Socó Mirim (PA), Socó Mijão, Socó Tripa.

História Natural

Espécie aquática abundante e comum, pode ser encontrado em praticamente qualquer corpo d’água, salobra ou doce, de preferência rodeado por vegetação densa, como manguezais, brejos, lagos e rios, inclusive em ambientes urbanos. No Cerrado pode ser visto principalmente em matas de galeria e matas ciliares, além de veredas e campos úmidos. Costuma percorrer as margens da água e se manter sobre a vegetação flutuante ou empoleirado logo acima dela, aguardando que suas presas apareçam. Se alimenta principalmente de peixes, além de insetos aquáticos, crustáceos, moluscos, anfíbios e répteis, sendo bem generalista e por vezes adotando algumas táticas de caça bastante engenhosas, como usar iscas para atrair peixes (geralmente pedaços de pão dados por visitantes em parques) ou se manter próximos a Lontras e Biguás a fim de capturar os peixes espantados por estes enquanto caçam. Vive solitário ao longo do ano, exceto quando está reproduzindo. Faz seu ninho com gravetos sobre árvores ou arbustos próximos à água, pondo de 3 a 4 ovos de cor clara azulada ou esverdeada.

Descrição

Mede de 35 a 45 cm de comprimento. Sua coloração é cinzenta, com tons azulados ou pardos. Possui o topo da cabeça e nuca enegrecidos, com penacho que costuma ficar abaixado mas que pode ser visto ocasionalmente eriçado. Partes laterais e superiores cinzentas, e asas com padrão escamado mais escuro. Garganta e barriga cinza esbranquiçado, com estrias ou faixas largas de cor castanho avermelhada descendo ao longo da garganta até a barriga. Sua íris é alaranjada, o bico escuro e as patas amareladas.

Distribuição

Possui uma ampla distribuição ao redor do mundo, ocorrendo nas regiões tropicais ao redor do mundo. incluindo as Américas, África, sul e sudeste da Ásia, Oceania e norte e leste da Austrália. Está presente em todos os estados brasileiros.

Conservação

Pouco preocupante: não é considerado ameaçado (ICMBio e IUCN), porém suas populações podem estar diminuindo (IUCN).

Referências

BirdLife International 2016. Butorides striata. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22728182A94973442. http://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22728182A94973442.en. Downloaded on 25 November 2019.


Clements, J. F. (2012). The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press.


D’Angelo, G. B., & Sazima, I. (2014). Commensal association of piscivorous birds with foraging otters in southeastern Brazil, and a comparison with such a relationship of piscivorous birds with cormorants. Journal of Natural History, 48(3-4), 241-249.


Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Argel, M., & Tudor, G. (2010). Guia Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Horizonte.


Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília: ICMBio. 4162 p.


Martínez-Vilalta, A., Motis, A., Christie, D.A. & Kirwan, G.M. (2019). Green-backed Heron (Butorides striata). In: del Hoyo, J., Elliott, A., Sargatal, J., Christie, D.A. & de Juana, E. (eds.). Handbook of the Birds of the World Alive. Lynx Edicions, Barcelona. (retrieved from https://www.hbw.com/node/52704 on 25 November 2019).


Sazima, I. (2007). Frustrated fisher: geese and tilapias spoil bait-fishing by the Green Heron (Butorides striata) in an urban park in Southeastern Brazil. Revista Brasileira de Ornitologia, 15(4), 611-614.


Sick, H. (1997). Ornitologıa brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.


Silva, J. M. C. da (1995). Birds of the cerrado region, South America. Steenstrupia, 21(1), 69-92.


Striated Heron (Butorides striata), In Neotropical Birds Online (T. S. Schulenberg, Editor). Cornell Lab of Ornithology, Ithaca, NY, USA. retrieved from Neotropical Birds Online: https://neotropical.birds.cornell.edu/Species-Account/nb/species/strher


Wikiaves. (2018). Socozinho. Recuperado em 25 de novembro, 2019, de https://www.wikiaves.com.br/wiki/socozinho

);