Paisagismo Sustentável

Constato que o paisagismo convencional, apesar de estar intrinsecamente relacionado ao meio ambiente, também reproduz uma visão de dominação da natureza, que acaba levando a ambientes artificiais e insustentáveis, que precisam de intensa manutenção. Muitas vezes os projetos desconsideram completamente o ecossistema original; mudam completamente as condições edáficas para tornar o local apto a receber espécies exóticas; trabalham com uma baixa diversidade de espécies; eventualmente demandam um intenso manejo com adubos, herbicidas e inseticidas químicos para contornar o desequilíbrio criado; e exigem uma quantidade exacerbada de água para a irrigação.

O paisagismo sustentável, por sua vez, adota como premissas soluções baseadas na natureza, que podem colaborar para a conservação da biodiversidade e dos ecossistemas. Essa vertente aceita e valoriza as condições originais do local, preconizando maior diversidade de espécies, especialmente as autóctones, adaptadas ao clima e ao solo da região, e a configuração de um ecossistema mais equilibrado, que prescinde de grandes intervenções para garantir o desenvolvimento das espécies. Além disso, busca incentivar a cadeia de produtores locais e um mercado mais justo e solidário.

Dentro desse conceito de paisagismo sustentável, defendo também a ampliação de oferta de áreas verdes em centros urbanos, especialmente em locais com mais vulnerabilidade social, sem acesso a a arborização, parques e jardins: paisagismo para e com todos!

Compreendo os espaços verdes como espaços educadores, pois podem ser meios de produção de conhecimento sobre o meio ambiente e de formação de cidadãos mais críticos, conscientes. Mas acho que a conexão com a natureza e sua ressignificação demandam aspectos subjetivos, além dos racionais. E aí que entra a arte, que envolve a nossa emoção, que desperta a generosidade, a compaixão e acende até mesmo um componente místico. Acredito que o paisagismo sustentável traz a possibilidade incrível de reunir aspectos objetivos e subjetivos que contribuem para levar a humanidade de volta à natureza. Quero aprofundar meus estudos e minha atuação profissional nesse sentido.

A partir da última década, é possível constatar um movimento em torno da criação de uma nova e histórica vertente no paisagismo brasileiro centrada na flora do Cerrado. Esse movimento espontâneo e crescente de paisagistas busca a criação de uma linguagem paisagística com a identidade do Cerrado, a valorização de sua flora como componente ornamental e a inserção das espécies desse bioma na cadeia produtiva do paisagismo, especialmente as do estrato arbustivo e herbáceo.

 

Fonte: https://auepaisagismo.com/?id=especialista-em-paisagismo-sustentavel-soraia-silva-de-mello-e-a-flora-ornamental-do-cerrado&in=2220

 

);