Gênero Callicebus

O gênero Callicebus é popularmente conhecido por diversos nomes como guigó, sauá, macaco-titi, zogue-zogue, entre outros. São primatas exclusivamente neotropicais e correspondem ao segundo maior gênero de primatas sul-americanos. Até 2016, 31 espécies eram descritas para o gênero Callicebus. Após vários estudos moleculares, Byrne e colaboradores (2016) verificaram que as espécies divergiam. Com isso, os cinco grupos existentes foram separados, e assim, os gêneros foram modificados, de acordo com a Figura 1. No Cerrado, ocorre apenas o grupo do personatus, onde dentre as três espécies, somente duas ocorrem no bioma (Callicebus personatus e C. nigrifons).

Figura 1. Uma filogenia calibrada pelo tempo que mostra as idades de divergência estimadas entre indivíduos de Callicebus com base no conjunto de dados combinados. Os nós não marcados foram fortemente suportados (PP ≥ 0,99), enquanto os nós marcados com círculos brancos receberam baixo suporte (PP <0,95). Barras de nós indicam a densidade posterior 95% mais alta. Os números vermelhos representam os nós de interesse listados com valores de suporte específicos e tempos de divergência estimados. Os nós numerados 2 e 3 foram usados ​​para calibração. Uma escala de tempo em milhões de anos e os períodos geológicos são dados. As cores de fundo refletem o grupo de espécies; verde para o grupo torquatus, rosa para o grupo personatus, amarelo para o grupo donacophilus, azul para o grupo moloch; e cinza indica as espécies do grupo externo. Ilustrações de Stephen D. Nash © Conservation International.

De pequeno a médio porte, os Callicebus podem pesar entre 800 g a 2 kg e medir de 25 a 40 cm de comprimento. Em geral, as fêmeas são relativamente maiores que os machos. Possuem hábitos diurnos e são arborícolas, preferindo estratos mais baixos da floresta. A área de vida desses primatas varia de 10 até 50 hectares, e vivem em grupos de até dez indivíduos. Na maioria das vezes, o grupo é constituído pelo par reprodutor, e sua prole. São conhecidos por serem primatas monogâmicos, algo muito incomum entre os Primatas.

Possuem vocalizações de alto alcance como forma de manter e defender seu território. Como a maioria dos primatas, os Callicebus constituem uma dieta omnívora, variando de frutos, folhas, brotos, flores, sementes e até artrópodes. A gestação da fêmea dura aproximadamente seis meses e o pico de nascimento da prole ocorre no início da estação chuvosa. Quem provê do cuidado parental é o macho, que carrega o filhote nas costas até a sua independência.

Byrne, H., Rylands, A. B., Carneiro, J. C., Alfaro, J. W. L., Bertuol, F., Da Silva, M. N. & Hrbek, T. 2016. Phylogenetic relationships of the New World titi monkeys (Callicebus): first appraisal of taxonomy based on molecular evidence. Frontiers in Zoology13(1), 10.

Chiarello, A.G. & de Melo, F.R. 2001. Primate population densities and sizes in Atlantic forest remnants of northern Espirito Santo, Brazil. International Journal of Primatology, 22: 379-396.

Kinzey, W.G. & Becker, M. 1983. Activity pattern of the masked titi monkey, Callicebus personatus. Primates, 24(3): 337-343.

Melo, F.R. & Rylands, A.B. 2008. Callicebus personatus (Geoffroy, 1812). p. 774-775. In: Machado, A.B.M.; Drummond, G.M. & Paglia, A.P. (Eds.). Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção - Vol. II. Ministério do Meio Ambiente e Fundação Biodiversitas. 907p.

Price, E.C. & Piedade, H.M. 2001. Diet of northern masked titi monkeys (Callicebus personatus). Folia Primatologica, 72: 335-338.

Price, E.C.; Piedade, H.M. & Wormell, D. 2002. Population densities of Primates in a Brazilian Atlantic Forest. Folia Primatologica, 73: 54-56.

Printes, R.C.; Jerusalinsky, L.; Sousa, M.C.; Rodrigues, L.R.R. & Hirsch, A. 2013. Zoogeography, genetic variation and conservation of the Callicebus personatus group. Pp. 43-50. In: Veiga, L.M.; Barnett, A.; Ferrari, S.F. & Norconk, M. (eds.). Evolutionary biology and conservation of titis, sakis, and uacaris. Cambridge University Press. 397p.

Veiga, L.M.; Kierulff, C.M.; Oliveira, M.M. & Mendes, S.L. 2008. Callicebus nigrifrons. In: IUCN Red List of Threatened Species, Version 2011.2. www.iucnredlist.org. (Acesso em 18/12/2020).

Byrne, H., Rylands, A.B., Carneiro, J.C. et al. Phylogenetic relationships of the New World titi monkeys (Callicebus): first appraisal of taxonomy based on molecular evidence. Front Zool 13, 10 (2016). https://doi.org/10.1186/s12983-016-0142-4

Franco, E.S. 2006. Caracterização da dieta e competição alimentar de Callicebus nigrifrons Spix, 1823 (Primates: Pitheciidae). Monografia (Graduação em Ciências Biológicas). Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix - Minas Gerais.

IUCN/SSC Neotropical Primates Species Assessment Workshop (Red List). 2007. Oficina realizada em novembro de 2007 em Orlando, Florida, Estados Unidos.

Printes, R.C.; Jerusalinsky, L.; Sousa, M.C.; Rodrigues, L.R.R. & Hirsch, A. 2013. Zoogeography, genetic variation and conservation of the Callicebus personatus group. Pp. 43-50. In: Veiga, L.M.; Barnett, A.; Ferrari, S.F. & Norconk, M. (eds.). Evolutionary biology and conservation of titis, sakis, and uacaris. Cambridge University Press. 397p.

Rylands, A.B. 2012. Taxonomy of the Neotropical Primates – database. International Union for Conservation of Nature (IUCN), Species Survival Commission (SSC), Primate Specialist Group, IUCN, Gland.

Souza, S.B.; Martins, M.M. & Setz, E.Z.F. 1996. Activity pattern and feeding ecology of sympatric masked titi monkeys and buffy tufted-ear marmosets. Resumo 155. In: XVIth Congress of the International Primatological Society/ XIXth Conference of the American Society of Primatologists. Anais do... IPS e ASP, Estados Unidos.

Van Roosmalen, M.G.M.; Van Roosmalen, T. & Mittermeier, R.A. 2002. A taxonomic review of the titi monkeys, genus Callicebus Thomas, 1903, with the description of two new species, Callicebus bernhardi and Callicebus stephennashi, from Brazilian Amazonia. Neotropical Primates, 10(suppl.): 1-52.

Veiga, L.M.; Kierulff, C.M.; Oliveira, M.M. & Mendes, S.L. 2008. Callicebus nigrifrons. In: IUCN Red List of Threatened Species, Version 2011.2. www.iucnredlist.org. (Acesso em 18/12/2020)

Conheça as espécies que ocorrem no Cerrado