Didelphis albiventris, Lund 1840

Nome(s) popular(es)

Saruê.

História Natural

É uma espécie bastante generalista e pioneira: isso é um comportamento estrategista, pois os animais podem explorar e ocupar novos nichos com facilidade. Também são bem adaptados a ambientes instáveis e de matas secundarias. É um dos poucos mamíferos que consegue viver nas áreas ocupadas pelo homem, sendo muito comum nas propriedades rurais e urbanas.

No Cerrado ocorre em todas as fitofisionomias como florestas ripárias, cerradão, cerrado e campo cerrado. Ocasionalmente entra em moradias humanas pois possui grande potencial de colonizar áreas urbanas onde existem fragmentos florestais pelo seu aspecto generalista. Sua época reprodutiva começa ao fim de julho/inicio de Agosto e pode ir até Novembro (dura aproximadamente 7 meses), a espécie produz aproximadamente duas ninhadas por ano, de 10-15 filhotes por ninhada. O animal é onívoro, consome invertebrados, frutas e vertebrados, nesta ordem decrescente de preferência. Por essa dieta diversa, os indivíduos adultos apresentam elevados índices de obesidade!

As fêmeas adultas medem em média 518mm e os machos 485mm, machos e fêmeas não possuem dimorfismo. Os Saruês pesam em média de 700-2000g, em média fêmeas adultas pesam 1768g e machos 1673g.

Distribuição

Achado na Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai, Guiana Francesa, Colômbia e Uruguai. Ocorre em regiões subtropicais da América do Sul.

Ameaças e estratégias de conservação

O estado de conservação é pouco preocupante (ícone PP), segundo IUCN 2016 não está ameaçado, mas a destruição das florestas, seu hábitat, ameaça sua sobrevivência. Além disso o Saruê é perseguido e morto de forma impiedosa em propriedades rurais. Na época de reprodução as fêmeas ficam mais lentas e o índice de atropelamento em estradas e áreas urbanas é alto.

Curiosidades

Uma curiosidade legal é sobre a sua anatomia reprodutiva e o seu nome, Didelphis significa ”dois úteros”, ou seja, as fêmes possem dois úteros para terem uma quantidade maior de filhotes em uma única ninhada!

Referências

  • Carmignotto, A. P., Vivo, M. De, & Langguth, A. (2012). Mammals of the Cerrado and Caatinga: distribution patterns of the tropical open biomes of central South America. Bones, Clones and Biomes. The History and Geography of Recent Neotropical Mammals, 307–350. https://doi.org/10.1017/CBO9781107415324.004
  • JOHNSON, M. A., SARAIVA, P. M., & COELHO, D. (1999). The role of gallery forests in the distribution of cerrado mammals. Revista Brasileira de Biologia, 59(3), 421–427. https://doi.org/10.1590/s0034-71081999000300006
  • LYRA JORGE M.C.; R.PIVELLO V.;MEIRELLES S.T.;VIVO, M. . (n.d.). Riqueza e abundância de pequenos mamíferos em ambientes de cerrado e floresta, na reserva cerrado de pé-de-gigante, parque estadual de vassununga (santa rita de passa quatro, sp).
  • Mares, M. A., Gettinger, D. D., & Ernest, K. A. (1986). Small mammal community structure and composition in the Cerrado Province of central Brazil. Journal of Tropical Ecology, 2(4), 289–300. https://doi.org/10.1017/S0266467400000948
  • Regidor, H. A., & Gorostiague, M. (1996). Reproduction in the white eared opossum (Didelphis albiventris) under temperate conditions in Argentina. Studies on Neotropical Fauna and Environment, 31(3–4), 133–136. https://doi.org/10.1076/snfe.31.3.133.13338
  • CÁCERES, N. C., & MONTEIRO-FILHO, E. L. A. (1999). Tamanho corporal em populações naturais de Didelphis (Mammalia: Marsupialia) do Sul do Brasil. Revista Brasileira de Biologia, 59(3), 461–469. https://doi.org/10.1590/s0034-71081999000300011
  • Cáceres, N. (2010). Studies on Neotropical Fauna and Environment Food Habits and Seed Dispersal by the White-Eared Food Habits and Seed Dispersal by the White-Eared Opossum , Didelphis albiventris , in Southern Brazil. 0521(September 2012), 37–41.
  • Cáceres, C. N. (2000). Population ecology and reproduction of the white-eared opossum Didelphis albiventris (Mammalia, Marsupialia) in an urban environment of Brazil. Ciência e Cultura Journal of the Brazilian Association for the Advancement of Science, 52(3), 171–174. Retrieved from http://jararaca.ufsm.br/websites/niltoncaceres/download/Pop_ecol_2000.pdf
);