Mergus octosetaceus Vieillot, 1817

Nome(s) popular(es)

Pato Mergulhão, Merganso do Sul, Mergulhador, Patão, Pato Mergulhador.

História Natural

Ave aquática extremamente rara e arredia, é praticamente endêmica (exclusiva) ao Cerrado. Está extremamente associado a rios límpidos, com água limpa e cristalina, especialmente rios corredios de regiões serranas e de planaltos, com fundo de areia ou rochoso, não muito profundos e rodeados por mata ciliar preservada. Sua dependência bastante específica por esses ambientes o torna uma ave altamente sensível a alterações e degradações ambientais, e essa dependência está associada a seus hábitos de vida e alimentação, pois caça peixes ativamente enquanto mergulha, o que exige a visibilidade impecável e a abundância de presas que só os rios intactos e cristalinos podem oferecer. Carnívoro, se alimenta basicamente de peixes, especialmente o Lambari, mas pode ingerir caramujos, larvas e insetos aquáticos. Entre seus possíveis predadores, podem ser citados o Puma, a Jaguatirica, o Gato Maracajá, o Jaguarundi, o Lobo Guará, o Cachorro do Mato, a Irara, a Lontra, a Águia Cinzenta, a Águia Serrana e o Gavião Pato. Apesar de se assemelhar no comportamento e aparência com os mergulhões, como o Biguá, é na verdade um parente próximo dos patos (família Anatidae). Se reproduz entre maio e setembro, fazendo ninhos dentro de cavidades em árvores, rochas ou solo, próximas ao curso d’água que habita. Cobre o ninho com plumas e os ovos possuem cor clara. É monogâmico, e durante a reprodução se torna bastante territorialista, utilizando e defendendo um trecho específico do rio.

Descrição

Mede entre 50 e 56 cm. Possui bico fino e comprido, penacho longo na nuca, pescoço e cabeça esguios. O bico é preto, e a cabeça e porção superior do pescoço são de um preto brilhoso com tons verdes, mais fortes no macho. O peito e a barriga são cinza claro, com o dorso sendo cinza mais escuro. Há uma grande mancha branca na asa, que pode estar escondida. As patas são vermelhas.

Distribuição

Sua ocorrência é extremamente restrita, atualmente estando presente apenas em algumas localidades isoladas, principalmente no GO, TO, MG, além um registro recente em SP. Talvez ainda exista na BA, PA, e no leste do Paraguai. É uma espécie parcialmente endêmica (exclusiva) ao Brasil.

Conservação

Perigo crítico: é considerado criticamente ameaçado (ICMBio e IUCN). Apesar de registros históricos mostrarem que essa espécie é naturalmente rara, atualmente se encontra com populações extremamente reduzidas e em declínio. Estima-se que restam apenas cerca de 250 indivíduos maduros, sendo uma das aves mais ameaçadas das Américas e dentre as aves aquáticas mais ameaçadas do mundo. Suas escassas populações se encontram isoladas em refúgios bem preservados de Cerrado, especificamente em três Unidades de Conservação: o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, Parque Nacional da Serra da Canastra e o Parque Estadual do Jalapão. As principais pressões e ameaças para a espécie são a construção de hidroelétricas, a poluição e o assoreamento dos rios, a destruição e degradação do habitat, especialmente as matas ciliares, o turismo desordenado, o uso excessivo de agrotóxicos e a mineração.

Referências

BirdLife International 2018. Mergus octosetaceus (amended version of 2016 assessment). The IUCN Red List of Threatened Species 2018: e.T22680482A123509847. http://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2018-2.RLTS.T22680482A123509847.en. Downloaded on 15 October 2019.

 

Bruno, S. F., et al. Breeding behaviour of Brazilian Merganser Mergus octosetaceus, with a tree-cavity nest in Serra da Canastra National Park, Minas Gerais, Brazil. Cotinga 32: 84-89, 2010.

 

Carboneras, C., Kirwan, G.M. & Sharpe, C.J. (2019). Brazilian Merganser (Mergus octosetaceus). In: del Hoyo, J., Elliott, A., Sargatal, J., Christie, D.A. & de Juana, E. (eds.). Handbook of the Birds of the World Alive. Lynx Edicions, Barcelona. (retrieved from https://www.hbw.com/node/52928 on 16 October 2019).

 

Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Argel, M., & Tudor, G. (2010). Guia Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Horizonte.

 

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília: ICMBio. 4162 p.

 

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção: Volume III – Aves. In: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. (Org.). Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília: ICMBio. 709p. 

 

Lamas, I. R. and L. V. Lins (2009). Brazilian Merganser (Mergus octosetaceus), version 1.0. In Neotropical Birds Online (T. S. Schulenberg, Editor). Cornell Lab of Ornithology, Ithaca, NY, USA. https://doi.org/10.2173/nb.bramer1.01

 

Lamas, I. R. & Santos, J. P. A Brazilian Merganser Mergus octosetaceus nest in a rock crevice, with reproductive notes. Cotinga 22: 34-41, 2004.

 

Partridge, W. H. Notes on the Brazilian Merganser in Argentina. The Auk 73(4): 473-488, 1956.

 

Silva, J. M. C. da (1995). Birds of the cerrado region, South America. Steenstrupia, 21(1), 69-92.

 

Silveira, L. F. & Bartmann, W. D. Natural history and conservation of Brazilian Merganser Mergus octosetaceus at Serra da Canastra National Park, Minas Gerais, Brazil. Bird Conservation International 11: 287-300, 2001.

 

Wikiaves. Pato-mergulhão. 2018. Disponível em: <https://www.wikiaves.com.br/wiki/pato-mergulhao> Acesso: 16 out. 2019.


Willis, E. O. (1988). A hunting technique of the Black-and-white Hawk-Eagle (Spizastur melanoleucus). The Wilson Bulletin, 100(4), 672-675.

);