Neochen jubata (Spix, 1825)

Nome(s) popular(es)

Pato Corredor, Ganso do Orinoco.

História Natural

Típico de regiões tropicais alagadas, como os Llanos Venezuelanos, a Amazônia, e algumas fitofisionomias do Cerrado, frequenta e se reproduz preferencialmente em margens arenosas de praias de rios, próximas a matas ciliares. No Cerrado, ocorre em savanas ou campos alagados. É uma ave predominantemente rasteira, ficando mais tempo no solo do que outros patos (família Anatidae), voando e nadando comparativamente menos que eles, e se locomovendo com mais agilidade no chão. Se alimenta pastando, comendo principalmente gramíneas, brotos e outras partes tenras de vegetais, além de insetos, vermes e moluscos. Durante a reprodução os machos disputam bastante por territórios e fêmeas, e possuem um complexo ritual de corte para acasalar, onde o casal parece realizar diversas danças. Fazem ninhos em ocos de árvores ou no chão, próximo aos rios. A fêmea forra o ninho com suas penas e põe de 6 a 10 ovos.

Descrição

Mede entre 62 e 75 cm. O macho é maior que a fêmea. Possui a cabeça, pescoço e peito branco acinzentado, com barriga, dorso e laterais castanhos, asas e porção posterior, tanto do dorso quanto do ventre, escuras com reflexos azulados ou esverdeados, e patas laranjas. O pescoço e as patas são robustos.

Distribuição

Ocorrência ampla pela América do Sul, se estendendo da Venezuela, Colômbia, Guianas e Suriname, pelo leste do Equador e do Peru, através da Bolívia e do Brasil central até o extremo oeste do Paraguai e extremo norte da Argentina. No Brasil, ocorre principalmente na região amazônica, como em RR, AM e RO, além do TO, MT, GO, e algumas regiões do MT, MS e PR.

Conservação

Dados insuficientes: não se possuem dados suficientes para a avaliação de seu estado de conservação no Brasil (ICMBio), porém é considerado quase ameaçado globalmente (IUCN), pois suas populações vêm se reduzindo drasticamente, principalmente devido à caça e perda de habitat para a agricultura e a construção de barragens. Sabe-se, porém, que está severamente ameaçado em diversas áreas de sua distribuição original, como no estado de SP, onde é considerado possivelmente extinto. Poucas populações se mantêm saudáveis, notoriamente as dos Llanos Venezuelanos e Colômbia, as das savanas no norte da Bolívia e as da região do Rio Araguaia, no Brasil central.

Referências

BirdLife International 2016. Neochen jubata. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22679987A92837649. http://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22679987A92837649.en. Downloaded on 01 October 2019.

 

Carboneras, C., Kirwan, G.M. & Sharpe, C.J. (2019). Orinoco Goose (Neochen jubata). In: del Hoyo, J., Elliott, A., Sargatal, J., Christie, D.A. & de Juana, E. (eds.). Handbook of the Birds of the World Alive. Lynx Edicions, Barcelona. (retrieved from https://www.hbw.com/node/52833 on 1 October 2019).

 

Barrionuevo, C. et al. GANSO DE MONTE (Neochen jubata) EN CATAMARCA, ARGENTINA; – Centro Nacional de Anillado de Aves (CENAA), Facultad de Ciencias Naturales e Instituto Miguel Lillo, UNT, Miguel Lillo 205 (4000), Tucumán, Argentina. 2010.

 

Davenport, L., W. Endo, and K. Kriese (2013). Orinoco Goose (Oressochen jubatus), version 1.0. In Neotropical Birds Online (T. S. Schulenberg, Editor). Cornell Lab of Ornithology, Ithaca, NY, USA. https://doi.org/10.2173/nb.origoo1.01

 

Develey, P. & de Lucca, A. Fauna Ameaçada de Extinção no Estado de São Paulo – VERTEBRADOS; Governo do Estado de São Paulo; Secretaria do Meio Ambiente; Fundação Parque Zoológico de São Paulo. 2009.

 

Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Argel, M., & Tudor, G. (2010). Guia Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Horizonte.

 

Sick, H. (1997). Ornitologıa brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

 

Silva, J. M. C. da (1995). Birds of the cerrado region, South America. Steenstrupia, 21(1), 69-92.


Wikiaves. Pato-corredor. 2018. Disponível em: <https://www.wikiaves.com.br/wiki/pato-corredor> Acesso em: 01 out. 2019.

);