Gampsonyx swainsonii Vigors, 1825

Vocalização

Nome(s) popular(es)

Gaviãozinho, Cri Cri (Pantanal do MT).

História Natural

Ave de rapina relativamente incomum, típica de áreas mais abertas e secas. Seu tamanho pequeno, bico curto e asas afiladas lhe dão uma aparência parecida com a dos falcões (família Falconidae), mas na verdade é um gavião (família Accipitridae). No Cerrado pode ser encontrado principalmente nos cerradões, cerrados típicos e campos sujos. Também pode ser visto em áreas urbanas ou até mesmo pastos e plantações, tendo se mostrado um tanto quanto bem adaptado à expansão urbana e rural. Costuma ficar pousado em poleiros próximos de campos, inclusive postes e fiações, de onde vasculha o ambiente. Ao observar uma presa no chão, mergulha para capturá-la. Predador, se alimenta principalmente de lagartos, além de insetos e outras aves. Faz seu ninho com gravetos entre os galhos da copa, entre 4 e 7 m de altura, pondo cerca de 3 ovos brancos com manchas castanhas.

Descrição

Mede entre 20 e 28 cm de comprimento, sendo o menor gavião (família Accipitridae) do Brasil. Possui a testa, laterais da cabeça e pescoço, a garganta, o peito e a barriga brancos, com manchas creme alaranjadas nas coxas, testa e nas “bochechas” (região abaixo do olho). O topo da cabeça, a nuca todo o dorso, incluindo asas e cauda, são cinza escuro. Também apresenta manchas laterais cinza escuro indo das costas, logo acima da asa, até as laterais do peito, formando uma espécie de semi colar. Suas patas são amarelas. e seu olho avermelhado.

Distribuição

Ocorre desde a América Central até o norte da Argentina, estando presente em boa parte da América do Sul, exceto o Chile e o Uruguai. No Brasil está presente em todos os estados, porém é menos comum no Sul.

Conservação

Pouco preocupante: não é considerado ameaçado (ICMBio e IUCN), e suas populações aparentam estar aumentando (IUCN), possivelmente pela conversão de áreas florestadas em áreas abertas, tanto para uso agrícola quanto urbano, sendo uma das poucas espécies que vem se mostrando beneficiadas por esse processo.

Referências

Bierregaard, R. O. and G. M. Kirwan (2020). Pearl Kite (Gampsonyx swainsonii), version 1.0. In Birds of the World (J. del Hoyo, A. Elliott, J. Sargatal, D. A. Christie, and E. de Juana, Editors). Cornell Lab of Ornithology, Ithaca, NY, USA. https://doi.org/10.2173/bow.peakit1.01

 

Bierregaard, R.O., Jr & Kirwan, G.M. (2020). Pearl Kite (Gampsonyx swainsonii). In: del Hoyo, J., Elliott, A., Sargatal, J., Christie, D.A. & de Juana, E. (eds.). Handbook of the Birds of the World Alive. Lynx Edicions, Barcelona. (retrieved from https://www.hbw.com/node/52965 on 23 April 2020). 

 

BirdLife International. 2016. Gampsonyx swainsonii. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22695025A93485768. https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22695025A93485768.en. Downloaded on 24 April 2020.

 

Clements, J. F. (2012). The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press.

 

Dort, J. van, Komar, O., Juárez-Jovel, R. C., & Espinal, M. (2010). First records of Pearl Kite Gampsonyx swainsonii for El Salvador and Honduras. Cotinga, 32, 129-130.

 

Gwynne, J. A., Ridgely, R. S., Argel, M., & Tudor, G. (2010). Guia Aves do Brasil: Pantanal e Cerrado. São Paulo: Horizonte.

 

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília: ICMBio. 4162 p.

 

Martinez, C. (2013). Occurrence of reproductive little eagle, Gampsonyx swainsonii (Aves: Accipitridae) in São Luís do Maranhão. Revista Brasileira de Ornitologia-Brazilian Journal of Ornithology, 6(8), 58-59.

 

Menq, W. (2019). Gaviãozinho (Gampsonyx swainsonii). Aves de Rapina Brasil. Recuperado em 23 de abril, 2020, de http://www.avesderapinabrasil.com/gampsonyx_swainsonii.htm

 

Orihuela-Torres, A., Brito, J., & Pérez-García, J. M. (2019). First observations of the diet of the Pearl Kite (Gampsonyx swainsonii magnus) in southwestern Ecuador. Revista Brasileira de Ornitologia-Brazilian Journal of Ornithology, 27(3), 195-198.

 

Sick, H. (1997). Ornitologıa brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

 

Silva, J. M. C. da (1995). Birds of the cerrado region, South America. Steenstrupia, 21(1), 69-92.

 

Wikiaves. (2018). Gaviãozinho. Recuperado em 23 de abril, 2020, de https://www.wikiaves.com.br/wiki/gaviaozinho

);